Trabalhadores da UE com quebra salarial de 2,4% . OIT alerta para aumento da pobreza - Plataforma Media

Trabalhadores da UE com quebra salarial de 2,4% . OIT alerta para aumento da pobreza

Até junho, a quebra global das remunerações foi de 0,9%. OIT alerta para a diminuição do poder de compra, em consequência da crise inflacionista, e defende atualizações adequadas dos salários ou medidas como a redução do IVA nos bens essenciais.

Os trabalhadores da União Europeia (UE) sentiram, na primeira metade do ano, uma perda real de 2,4% nos seus salários, provocada pelo combo da crise inflacionista e da desaceleração global do crescimento económico, segundo dados publicados pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) esta quarta-feira.

Considerando o resto do mundo, a quebra dos rendimentos foi de 0,9%, “a primeira vez neste século que, em termos reais, o crescimento global dos salários foi negativo”, aponta o organismo. Enquanto nas economias mais avançadas do G20 os salários reais sofreram uma quebra de cerca de 2,2% no primeiro semestre de 2022, nos países em desenvolvimento as remunerações cresceram 0,8% – ainda assim, menos 2,6% face a 2019.

Esta crise, em parte impulsionada pelo conflito na Ucrânia, está a diminuir o poder de compra das classes médias e a atingir particularmente as famílias de mais baixo rendimento, colocando “dezenas de milhões de trabalhadores em situação dramática, uma vez que enfrentam instabilidades crescentes”, alerta a instituição.

Leia mais em: Dinheiro Vivo

Assine nossa Newsletter