Ucrânia contabiliza a morte de 438 crianças pelos russos desde fevereiro - Plataforma Media

Ucrânia contabiliza a morte de 438 crianças pelos russos desde fevereiro

O exército russo causou a morte a pelo menos 438 crianças na Ucrânia desde que começou a invasão, a 24 de fevereiro, disse hoje a Procuradoria-Geral ucraniana através da rede de mensagens Telegram.

“Até à manhã de 23 de novembro de 2022 [hoje], mais de 1.279 crianças foram afetadas na Ucrânia na sequência da agressão armada de grande escala da Federação da Rússia”, indicou a Procuradoria.

De acordo com a mesma fonte, “438 menores foram assassinados e 841 ficaram feridos”.

A Procuradoria refere ainda que os números não são definitivos porque ainda se realizam trabalhos no sentido de se determinar o número real de baixas nas áreas onde as “hostilidades” continuam.

Leia ainda: Denúncias de crimes à porta do “inverno da sobreviência” na Ucrânia

Os procuradores ucranianos não podem confirmar se as mortes ocorreram nos territórios que permanecem ocupados ou se aconteceram em zonas recentemente reconquistadas.

A última baixa entre as crianças ucranianas ocorreu nas últimas horas.

Um bebé morreu na sequência de um ataque russo numa maternidade na região ucraniana de Zaporijia, anexada por Moscovo, disseram hoje os serviços de socorro de Kiev através das redes sociais.

“Na noite de 23 de novembro, na cidade de Vilniansk, na região de Zaporijia, um edifício de dois andares onde funcionava uma maternidade foi destruído por um ataque com roquetes”, afirmou um socorrista numa mensagem difundida pelas redes sociais.

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, acusou a Rússia de “terror e morte”, referindo-se diretamente ao ataque que atingiu a maternidade.

“O inimigo decidiu mais uma vez realizar através do terror e do assassinato o que não conseguiu fazer em nove meses”, desde a invasão de 24 de fevereiro, afirmou Zelensky.

*Com Lusa

Este artigo está disponível em: English

Related posts
Sociedade

Ucrânia acusa Rússia de raptar crianças para fins sexuais

Sociedade

Prostitutas na Ucrânia correm riscos de saúde ainda maiores após guerra

BrasilPolítica

Brasil não enviará munições para a Ucrânia e Lula diz que chegou a altura da China colocar "mão na massa"

Política

Alemanha não permitirá que guerra seja conflito entre Rússia e NATO

Assine nossa Newsletter