Um morto e mais de 30 feridos no funeral do músico "Nagrelha" em Luanda - Plataforma Media

Um morto e mais de 30 feridos no funeral do músico “Nagrelha” em Luanda

Um jovem morreu e 33 pessoas ficaram feridas durante o funeral do músico angolano “Nagrelha”, incluindo 16 polícias, dois dos quais esfaqueados com gravidade, segundo um balanço da polícia de Luanda.

Em declarações à Lusa, o porta-voz do comando provincial de Luanda da Polícia Nacional, superintendente Nestor Goubel, adiantou que será um adolescente de 13 ou 14 anos, que morreu asfixiado durante o tumulto que teve lugar nas imediações do cemitério, tendo morrido a caminho do hospital.

O funeral do músico Gelson Caio Mendes, mais conhecido como “Nagrelha”, mobilizou milhares de pessoas que acorreram hoje de manhã ao cemitério da Santa Ana.

“Face à tentativa de invasão do cemitério, as forças policiais foram obrigadas a dispersar a multidão desordeira”, refere a polícia, num comunicado a que a Lusa teve acesso.

Durante a operação de reposição da ordem pública registou-se a morte de um menor ainda por identificar, e ferimento em 16 efetivos da polícia, dos quais dois com gravidade (esfaqueados), e 17 cidadãos.

Registaram-se também danos materiais, nomeadamente em quatro viaturas da polícia e cinco autocarros vandalizados, uma motorizada carbonizada e numa esquadra móvel, bem como o roubo de botijas de gás e grades de cerveja em quantidade não determinada.

“Foram detidos 18 cidadãos suspeitos de práticas indecorosas”, acrescentam as autoridades.

O comunicado refere que se previa “uma moldura humana considerável” face à legião de fãs do kudurista, bem como a notícias veiculadas nas redes sociais que davam conta de incitação a práticas de desordem social, roubos e arruaças, pelo que foi definido um conjunto de medidas “com vista a anular todas as ameaças”.

“No entanto, quando eram 09:00 registou-se um número elevado de pessoas na Avenida Deolinda Rodrigues, durante o cortejo fúnebre que pretendiam aceder ao cemitério do Santana, o que levou à intervenção policial que dispersou a multidão com recurso a gás lacrimogéneo.

Na debandada que se seguiu várias pessoas ficaram feridas ou desmaiaram, conforme testemunhou a Lusa no local.

Related posts
AngolaPolítica

Relação Portugal-Angola entrou numa fase de maturidade

AngolaSociedade

Ritmos do Carnaval e xinguilamento marcam as celebrações dos 447 anos

AngolaSociedade

Hospitais de Luanda criam condições para celebrar Ano Novo com pacientes

AngolaPolítica

Morreu general angolano “Kamorteiro” que assinou acordos de paz em 2002

Assine nossa Newsletter