Grupo armado mata e rapta quatro pessoas em Moçambique - Plataforma Media

Grupo armado mata e rapta quatro pessoas em Moçambique

Um grupo armado matou duas pessoas e é suspeito de ter raptado outras quatro e levado para um cativeiro identificado pela população no interior de Cabo Delgado, norte de Moçambique, disseram hoje à Lusa fontes locais.

O ataque aconteceu na tarde de domingo na aldeia de Mandava, no distrito de Muidumbe, no norte da província.

“Os terroristas voltaram a atacar a nossa aldeia e isso é triste porque estávamos a regressar”, disse um residente em Mwambula, antiga sede de distrito.

Os supostos rebeldes irromperam pela aldeia durante a noite, pelas 20:00 (18:00 em Lisboa) e sequestraram quatro pessoas, entre as quais uma mulher grávida.

Da aldeia seguiram para Mavala, uma zona baixa onde a população mantém campos agrícolas e que, de acordo com a mesma fonte, está “completamente ocupada por insurgentes”.

“Ninguém passa” no alegado cativeiro, “porque eles estão lá faz tempo, estão a comer a nossa comida” a partir dos campos cultivado, lamentou.

Outra fonte referiu que o ataque levou várias pessoas a abandonar as casas e a seguir para outra sede distrital, Namacande, a cerca de 20 quilómetros, e dali até outros locais mais longínquos.

Leia ainda: Grupo mata chefe de aldeia em Moçambique e população foge, maioria crianças

“Há muita gente a sair e alguns vão até Namacande, outras para Mueda ou Pemba, porque estes ataques mostram que ainda não há segurança”, acrescentou.

A população relata que, desde domingo, há movimento militar na zona para tentar controlar a situação, mas algumas fontes locais sugerem que seria necessária uma equipa “permanente”.

A aldeia de Mandava, na parte sul do distrito de Muidumbe, é alvo de ataques armados desde 2019.

A província de Cabo Delgado tem sido aterrorizada desde 2017 por violência armada, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

A insurgência levou a uma resposta militar desde há um ano com apoio do Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), libertando distritos junto aos projetos de gás, mas surgiram novas vagas de ataques a sul da região e na vizinha província de Nampula.

Em cinco anos, o conflito já fez um milhão de deslocados, de acordo com o ACNUR, e cerca de 4.000 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED.

Este artigo está disponível em: English

Related posts
MoçambiqueSociedade

Novo assalto contra transportes públicos mata trabalhador humanitário em Cabo Delgado

MoçambiqueSociedade

Governo moçambicano destaca "progressos assinaláveis" desde chegada de forças estrangeiras

MoçambiqueSociedade

Exército moçambicano anuncia morte de suposto líder de terroristas

Sociedade

ONG exige responsabilização no caso de corpos queimados em Cabo Delgado

Assine nossa Newsletter