São Tomé: Portugal apoia desenvolvimento do país com 60 milhões até 2025 - Plataforma Media

São Tomé: Portugal apoia desenvolvimento do país com 60 milhões até 2025

Portugal vai contribuir para o desenvolvimento de São Tomé e Príncipe com um pacote de cooperação de cerca de 60 milhões de euros, que vai durar nos próximos cinco anos, incidindo nas áreas mais prioritárias para o país

O Programa Estratégico de Cooperação (PEC) tem um valor estimado em 60 milhões de euros até 2025, priorizando as áreas da saúde, educação e cultura, proteção social, trabalho e formação profissional, justiça, segurança e defesa, agricultura, pescas, energia e ambiente, finanças públicas, economia e infraestruturas.

Durante a sua visita oficial a São Tomé e Príncipe, em dezembro do ano passado, o primeiro-ministro de Portugal, António Costa, elogiou os resultados da cooperação bilateral com o arquipélago, destacando as áreas da saúde e da defesa, e manifestou-se esperançado em “prosseguir estes níveis de cooperação e, se possível, desenvolvê-los”.

Durante uma visita de 24 horas a este país lusófono africano, realizada a 19 de dezembro, António Costa salientou os “fortes laços de cooperação que existem entre os dois países e que se consolidou com a recente assinatura [em dezembro] do programa estratégico para a cooperação entre 2021 e 2025”.

Entre as principais áreas apoiadas por Portugal está a educação, defesa e segurança, mas também a saúde, um setor que ganhou uma nova atualidade depois da pandemia de covid-19, que expôs as fragilidades dos países menos desenvolvidos perante uma ameaça de dimensão mundial.

O projeto de cooperação Saúde para Todos, lançado em 1988 e que é considerado um dos mais importantes da cooperação portuguesa, faz parte desta área de atuação, que inclui, desde 2011, a telemedicina e que tem vindo a alargar as áreas de especialidade abrangidas, desde a imagiologia, cardiologia, dermatologia e oftalmologia, passando pelo otorrinolaringologia e gastroenterologia, num total de 26 especialidades.

Portugal enviou para São Tomé e Príncipe quase 90 mil vacinas durante a pandemia de covid-19, em três entregas, para além do material necessário para a inoculação, no âmbito do compromisso de apoio aos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e Timor-Leste, disponibilizando 5% do total comprado por Portugal.

Para além deste apoio mais estrutural, Portugal participa também no “tradicional apoio” dado por vários países e organizações para a realização das próprias eleições de domingo, num total de 2 milhões de euros, que inclui 1,2 milhões do Japão e 500 mil de dólares da Nigéria, segundo disse o presidente da CNE à Lusa.

No total, dez partidos e uma coligação concorrem as eleições legislativas de São Tomé e Príncipe: Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe / Partido Social Democrata (MLSTP/PSD); Ação Democrática Independente (ADI); Basta; Movimento Democrático Força da Mudança/União Liberal (MDFM/UL); União para a Democracia e Desenvolvimento (UDD); CID-STP, Movimento União para o Desenvolvimento Amplo (Muda); Partido Novo; Movimento Social Democrata/Partido Verde de São Tomé e Príncipe (MSD-PVSTP); Partido de Todos os Santomenses (PTOS) e a coligação Movimento de Cidadãos Independentes/Partido Socialista/Partido da Unidade Nacional.

Em disputa está a eleição de 55 deputados à Assembleia Nacional de São Tomé e Príncipe, incluindo dois que pela primeira vez serão eleitos pelos círculos eleitorais da Europa e de África.

A ADI foi o partido mais votado nas eleições de 2018, elegendo 25 deputados, seguida pelo MLSTP/PSD, que conseguiu 23 assentos.

A coligação então formada pelo Partido da Convergência Democrática (PCD, segundo maior partido da oposição), pela UDD e pelo MDFM, foi a terceira formação mais votada, obtendo cinco mandatos. O Movimento de Cidadãos Independentes de São Tomé e Príncipe/Partido Socialista (MCI/PS) ocuparam dois lugares no parlamento.

MLSTP e a coligação PCD-UDD-MDFM formaram a chamada ‘nova maioria’ e constituíram governo, liderado por Jorge Bom Jesus.

No dia 25, também o governo regional do Príncipe vai a votos, concorrendo dois a União para a Mudança e Progresso do Príncipe (UMPP), liderado pelo atual presidente, Filipe Nascimento, e a coligação Movimento Verde para o Desenvolvimento do Príncipe (MVDP) e MLSTP/PSD, encabeçada por Nestor Umbelina.

Os 123.302 eleitores são-tomenses são ainda chamados a escolher os presidentes das autarquias.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
EconomiaMundo

Maláui é o primeiro país a receber apoio da nova Janela contra Choques Alimentares do FMI

AngolaBrasil

Angola e o Brasil avaliam preparação da Comissão Mista

MundoPolítica

G7 promete que vai apoiar Kiev "o tempo que for necessário"

MundoTransportes

Cooperação internacional tem que acelerar em setores que emitem CO2

Assine nossa Newsletter