Blinken reúne Arménia e Azerbaijão e pede paz duradoura - Plataforma Media

Blinken reúne Arménia e Azerbaijão e pede paz duradoura

O chefe da diplomacia americana, Antony Blinken, pediu ontem uma paz duradoura entre Arménia e Azerbaijão ao reunir os principais diplomatas dos dois países pela primeira vez desde os confrontos violentos na fronteira

O ministro das Relações Exteriores da Armênia, Ararat Mirzoyan, e seu colega do Azerbaijão, Jeyhun Bayramov, e suas respectivas delegações conversaram com Blinken em um hotel de Nova York antes da Assembleia Geral da ONU.

Blinken afirmou estar “animado” com a ausência de violência na região nos últimos dias.

“Um compromisso diplomático forte e sustentável é o melhor caminho para todos”, declarou Blinken. “Há um caminho para a paz duradoura que resolva as diferenças”, afirmou.

A Armênia revisou o número de mortos nos combates da semana passada, que passou de 136 para 207, elevando o total de vítimas mortais em ambos os lados para 286.

A violência da semana passada foi o pior confronto desde a guerra de 2020 e colocou em perigo o incipiente processo de paz entre os arquirrivais.

Durante uma visita a Yerevan no sábado, a presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, responsabilizou Baku pelos ataques “ilegais” contra a Armênia e condenou “a agressão à soberania” do país.

Os laços de Washington estão ficando mais estreitos com Yerevan, cuja tradicional aliada, a Rússia, está distraída com a invasão da Ucrânia.

A Rússia mantém laços estreitos com Baku e Yerevan. Por um pacto de segurança, a Rússia é obrigada a intervir se a Armênia for invadida, mas não se movimentou desta vez, apesar dos pedidos do governo daquele país.

A Armênia e o Azerbaijão travaram duas guerras – na década de 1990 e em 2020 – pela disputada região de Nagorno-Karabakh, um enclave do Azerbaijão habitado por armênios.

As seis semanas de guerra em 2020 resultaram na morte de mais de 6.500 soldados de ambos os lados. O conflito foi encerrado com um cessar-fogo mediado pela Rússia.

Sob o acordo que encerrou as hostilidades, a Armênia cedeu partes do território que controlava por décadas, e Moscou enviou cerca de 2.000 soldados russos para supervisionar a trégua.

Related posts
ChinaPolítica

China acusa EUA de uso indiscriminado de força para abater balão chinês

Mundo

'Tempestades intermináveis' deixam 16 mortos na Califórnia

BrasilPolítica

“Terroristas roubaram armas usadas pelo GSI no Planalto do Brasil”

Sociedade

Criança de 6 anos dispara contra professora em sala de aula nos EUA

Assine nossa Newsletter