Ponte discriminatória - Plataforma Media

Ponte discriminatória

Guilherme Rego

O PLATAFORMA marcou presença no evento “Fórum dos Think Thanks entre a China e os Países de Língua Portuguesa”, realizado esta semana, sob organização do Comissariado do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China na RAEM e a Universidade Politécnica de Macau.

Em primeiro lugar, louvar o esforço encetado pelas entidades organizadoras no enriquecimento desta plataforma através da participação de 19 especialistas e académicos provenientes de Macau, Interior da China e Países de Língua Portuguesa.

Em segundo, a diversidade das intervenções, desde o âmbito à origem, merece também um comentário: “a consciência de que Macau é, indubitavelmente, uma ponte entre estas geografias, justifica-se em momentos como este”.

Não querendo de todo mudar o foco, houve uma intervenção em particular que, em tom de crítica, trouxe uma nuance diferente ao evento e, com toda a razão, evidenciou a discriminação do Governo de Macau face aos Países de Língua Portuguesa africanos.

Acontece que estes continuam marginalizados pela política de casos zero local, que já facilitou a circulação de pessoas e bens a tantos outros; primeiro com o corredor especial do qual só Portugal e alguns países asiáticos foram considerados; segundo num levantamento mais ostensivo no qual o Brasil foi incluído.

Leia também: Dirigente do Fórum Macau lamenta exclusão da África lusófona da lista de entradas

Contudo, aos dias de hoje, a África lusófona ainda não goza desses privilégios e, como tal, esta ponte é débil e começa a mostrar as suas fragilidades.

Aqui, o responsável é o Governo de Macau, que deliberadamente optou por não incluir estes países nas primeiras tranches da reabertura condicionada.

Paulo Jorge Rodrigues do Espírito Santo, autor do comentário e secretário-geral adjunto do Fórum Macau, pede “justiça”, pois afirma que estes países também têm a pandemia sob controlo. E mais, a não inclusão desta parcela lusófona na lista de Macau “não beneficia a cooperação win-win”, como é óbvio, sobretudo agora que a cidade precisa de olhar para mercados estrangeiros para diversificar as receitas.

*Diretor-Executivo do PLATAFORMA

Este artigo está disponível em: English 繁體中文

Related posts
Editorial

Turismo com prioridades

Editorial

Sustentabilidade económica

Editorial

Boas entradas

Editorial

Recuperar Macau

Assine nossa Newsletter