Cada vez mais brasileiros procuram Portugal como local para viver e trabalhar - Plataforma Media

Cada vez mais brasileiros procuram Portugal como local para viver e trabalhar

Os dados, que não incluem os ilegais e quem possui cidadania portuguesa, são do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), integrado à Embaixada Portuguesa e mostram que este número nunca foi tão alto, com crescimento contínuo desde 2016. E, com brasileiros até a trocarem Miami por Lisboa, a procura por imóveis de alto padrão tem movimentado o país de apenas dez milhões de habitantes, onde encontrar um bom imóvel tem sido cada vez mais raro, devido à grande procura.

Leia também: Novos imigrantes em Portugal já ultrapassam os de 2021, um terço são brasileiros

Um levantamento do website Idealista, que revê o mercado imobiliário português, aponta que dos brasileiros que procuraram casas para comprar na capital portuguesa no segundo trimestre do ano, 12 por cento pediram casas e apartamentos acima de 1 milhão de euros, algo como 6 milhões de reais, após a conversão. Os brasileiros que procuram imóveis de luxo em Lisboa superam até o de norte-americanos. Com isso, as principais imobiliárias entenderam o recado e, apesar do idioma ser o mesmo, dispõem de funcionários brasileiros para ajudar no processo de compra e evitar termos ambíguos que possam existir na comunicação.

Para Patrícia Barão, responsável do departamento Residencial da JLL em Portugal, o mercado brasileiro de compra de imóveis de luxo é o mais importante depois do português. “O cliente do Brasil quer as melhores localizações, ele quer imóveis que estejam em Cascais, no Estoril, no centro de Lisboa, como na Avenida da Liberdade. E são imóveis que contam com áreas sociais grandes, quartos com suíte, lugares de garagem e ginásio”, conta. Patrícia explica que muitos moradores das grandes capitais brasileiras chegam ao país com “medos do Brasil” e pedem, no ato da compra, por sistemas de segurança elaborados, com receio de furtos e assaltos, algo que, com o tempo, percebem não ser necessário.


“Em 2021 vendemos 250 imóveis de alto padrão aos brasileiros a uma média de preço de 800 mil euros” Patrícia Barão, diretora de residências

“Em 2021 vendemos 250 imóveis de alto padrão aos brasileiros a uma média de preço de 800 mil euros”, diz Patrícia. Em grupos de Facebook com brasileiros a viverem em Portugal, entretanto, há diversos relatos de pessoas que querem comprar um imóvel e não conseguem, seja pela especulação imobiliária ou pelo fato de a procura ser enorme ou a necessidade de fechar a compra do imóvel rapidamente. Muitas vezes há mais de uma pessoa interessada em efetuar a compra.

Leia também: Ministro brasileiro garante que relação com Portugal “é normal”

O casal de funcionários do mercado financeiro, Denise Borges e Cláudio Teixeira, ambos de 51 anos, decidiu ainda antes da pandemia que iria emigrar para a Europa com o filho adolescente. Venderam o imóvel no Rio de Janeiro e deram o valor como entrada para um apartamento em Oeiras, concelho ao lado de Lisboa, avaliado em 350 mil euros. “Fizemos a compra por aqui, com financiamento num banco local usando o imposto de renda do Brasil como comprovativo de que tínhamos renda para o financiamento. As taxas são mellhores”, explica Teixeira, que trabalha numa financeira brasileira de maneira remota. A família adquiriu um serviço de lavandarias para empreender em Portugal, mas Denise também acabou assumindo o cargo de gestora de imóveis na mesma imobiliária em que comprou o apartamento, há cerca de um ano.

Denise Borges e Cláudio Teixeira trocaram o Rio de Janeiro por Oeiras, ao lado de Lisboa

“Tem muita gente vindo morar aqui, atendo apenas brasileiros e ganho por comissão”, explica. Ela diz que a mudança foi fundamental na qualidade de vida de toda a família, que ao contrário do que acontecia no Rio de Janeiro, agora sente tranquilidade para andar na rua e deixar o filho voltar para casa de madrugada sem medo. “Acabo a dizer para todos virem, a cidade é ótima. Estamos muito felizes com a mudança”, diz.

PROJETO CPLP AGRADA AOS BRASILEIROS

Parlamento de Portugal aprovou na semana passada o projeto de lei que amplia e facilita a concessão do visto de trabalho a estrangeiros que fazem parte da CPLP (Comunidades dos Países de Língua Portuguesa). Para os brasileiros, a principal mudança está na criação de um visto especial para quem procura emprego no país europeu. A permissão determina 120 dias para procura de trabalho, com possibilidade de prorrogação de mais 60. A nova lei ainda não tem data para entrar em vigor e passará por sanção do Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa. O projeto visa o envelhecimento da população e também a grande escassez de mão de obra no país. Parlamentares de extrema direita criticam a medida que também beneficia os chamados nómadas digitais, desde que comprovem rendimentos.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Assine nossa Newsletter