Procuradoria pede arquivo de queixas contra Bolsonaro na gestão pandémica - Plataforma Media

Procuradoria pede arquivo de queixas contra Bolsonaro na gestão pandémica

A Procuradoria-Geral da República do Brasil pediu ontem ao Supremo Tribunal que retire todas as acusações contra o Presidente brasileiro, Jair Bolsonar,o apresentadas por uma comissão do Senado que investigava a gestão da pandemia da covid-19

O pedido do Procurador estende-se também a outras investigações sobre alegadas irregularidades contra alguns ministros, parlamentares e dezenas de pessoas envolvidas em negócios suspeitos relacionados com a gestão da pandemia, de acordo com o grupo de senadores.

A comissão parlamentar investigou durante pouco mais de seis meses a gestão da pandemia, que já matou quase 680.000 pessoas no Brasil desde fevereiro de 2020, e concluiu em Outubro do ano passado com um relatório no qual fez acusações muito graves contra o Presidente brasileiro.

De acordo com o relatório, Bolsonaro terá alegadamente cometido vários crimes: crimes contra a humanidade, violações da saúde, incitação ao crime, falsificação de documentos, utilização irregular de dinheiros públicos, prevaricação e ataques à dignidade.

Até agora, o Supremo Tribunal já tinha rejeitado as acusações de prevaricação, relacionadas com a alegada fraude na negociação da compra de uma vacina de um laboratório indiano que acabou por não ser comprada pelo governo.

A Procuradoria-Geral concluiu agora que nenhuma das outras acusações é apropriada porque “as condenações” alcançadas pela comissão parlamentar foram baseadas num “julgamento incontroverso” de “natureza política” e não podem ser “automaticamente transferidas para a área jurídica”.

O grupo de senadores, de facto, foi dominado pela oposição e isto foi denunciado vezes sem conta por Bolsonaro, que descreveu o trabalho da comissão como “palhaço político” e afirmou que o seu “único objetivo” era afetar a sua campanha para a reeleição nas eleições a realizar em Outubro deste ano.

Todas as acusações estão relacionadas com a gestão da pandemia, cuja gravidade tem sido minimizada até hoje pelo líder brasileiro, que, quando a crise sanitária começou no país, chegou ao ponto de chamar ao coronavírus “pequena gripe”.

Bolsonaro também manteve uma dura campanha contra as vacinas, a tal ponto que ainda se vangloria de não estar vacinado, foi contra a utilização de máscaras e todas as medidas sanitárias adotadas para tentar minimizar o impacto da pandemia.

Related posts
BrasilPolítica

Quem vai herdar o espólio eleitoral de Jair Bolsonaro?

BrasilPolítica

PGR apresenta mais 150 denúncias contra suspeitos de participação em atos golpistas

BrasilPolítica

Mesmo sob risco de ser deportado, Bolsonaro não quer voltar ao Brasil: teme ser preso

BrasilSociedade

Brasil anuncia nova campanha de vacinação contra variantes mais recentes

Assine nossa Newsletter