Putin acusa NATO de estar presa à Guerra Fria e mantém objetivos militares na Ucrânia - Plataforma Media

Putin acusa NATO de estar presa à Guerra Fria e mantém objetivos militares na Ucrânia

O Presidente russo, Vladimir Putin, condenou ontem uma NATO presa “à Guerra Fria” e assegurou que “nada mudou” quanto aos planos militares russos na Ucrânia, após o chefe aliado Jens Stoltenberg ter exigido que “ponha imediatamente termo” à guerra

“A NATO é um rudimento de uma época passada, da Guerra Fria. A esse respeito, sempre nos disseram que tinha mudado, que agora era mais uma união política, mas todos procuravam motivos e possibilidades para a impor como organização militar”, assegurou Putin aos ‘media’ russos durante a sua visita ao Turquemenistão.

Putin, que desta forma respondeu às inúmeras críticas que lhe foram dirigidas na cimeira aliada de Madrid, considerou que o mundo unipolar promovido pelo ocidente é um anacronismo e um perigo para o sistema internacional, e sublinhou que o Kremlin aposta na cooperação com a ONU, o G20 e grupo dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

Neste sentido, manifestou disposição em dialogar com o ocidente sobre o controlo de armamentos e a não proliferação de armas de destruição maciça, ou em relação à estabilidade dos mercados energéticos e de alimentos.

Numa referência à decisão de considerar a Rússia como a principal ameaça para a segurança euro-atlântica, Putin dirigiu-se aos Estados Unidos e à sua obsessão em procurar sempre inimigos externos.

Neste contexto, recordou que Stoltenberg assegurou na capital espanhola que o bloco aliado se preparava desde 2014 para uma confrontação com o seu país.

“Desde 2014 que estavam a preparar algumas ações contra nós, não é uma novidade. Isso explica precisamente a nossa firme atuação em defesa dos nossos próprios interesses”, assinalou.

Putin também se insurgiu contra a “exclusividade” do ocidente e a sua recusa em aceitar a perda da sua função dominante no mundo.

“Ocultados sob a fachada de uma suposta ordem, baseada em regras e outros conceitos duvidosos, tentam controlar e orientar à sua maneira os processos globais, promovem a construção de blocos e coligações herméticas, que adotam decisões que apenas convêm a um país, aos Estados Unidos”, sintetizou.

Ao referir-se ao apelo dos aliados para que Putin ordene a retirada das tropas russas do território da Ucrânia, “uma nação democrática e soberana”, o líder russo considerou que “nada mudou”.

“Não tenho nada a acrescentar. O objetivo final foi anunciado, a libertação do Donbass, a defesa dessas populações e a criação das condições que garantam a segurança da própria Rússia. É tudo”, disse.

Numa alusão aos prazos, Putin considerou “incorreto” abordar esse tema e recordou estarem dependentes da “intensidade” dos combates, e quando o Kremlin pretende “como prioridade” a redução das baixas nas fileiras do exército russo.

“Por inerência sou o comandante supremo, mas de qualquer forma terminei o curso na Academia do Estado-Maior-General”, recordou.

Putin também considerou que as potências ocidentais não pretendem defender os ucranianos, antes satisfazer os seus próprios interesses, “confirmar o seu papel no mundo, confirmar a sua liderança, senão a sua hegemonia e, literalmente, as suas ambições imperialistas”.

Por isso, e caso Moscovo não tivesse tomado a iniciativa face aos planos ocidentais de converter a Ucrânia numa “testa de ponte” e “anti-Rússia”, o seu país teria de confrontar-se para sempre “com essa espada de Dâmocles”.

Numa referência à futura adesão da Finlândia e Suécia à NATO, o Presidente russo voltou a advertir que responderá com medidas similares em caso de instalação de contingentes e equipamentos militares aliados nos territórios dos dois países escandinavos.

“Com a Suécia e a Finlândia não temos os problemas que, infelizmente, temos com a Ucrânia. Não temos contenciosos nem problemas territoriais, não há nada que nos possa preocupar em relação à adesão da Finlândia e Suécia à NATO. Se é isso que pretendem, que sigam em frente”, afirmou.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, tendo a ofensiva sido condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Este artigo está disponível em: English

Related posts
MundoPolítica

ONU vai votar resolução para Rússia pagar indemnizações pela invasão da Ucrânia

MundoPolítica

Putin vê uma década repleta de ameaças por um Ocidente em pleno declínio

Guiné-BissauPolítica

Ucrânia: PR da Guiné-Bissau leva hoje "mensagem de paz" a Putin

MundoPolítica

NATO promete à Rússia resposta "firme e unida" em caso de ataque a infraestruturas

Assine nossa Newsletter