Pfizer anuncia que vacina anticovid para menores de 5 anos é eficaz em três doses - Plataforma Media

Pfizer anuncia que vacina anticovid para menores de 5 anos é eficaz em três doses

A vacina da Pfizer-BioNTech contra a covid-19 é segura e eficaz para as crianças de entre seis meses e cinco anos quando administrada em três doses, anunciou o laboratório farmacêutico em um comunicado divulgado nesta segunda-feira (23).

O anúncio acontece no momento em que a Agência de Medicamentos e Alimentos (FDA) dos Estados Unidos tem várias reuniões programadas para analisar a autorização da vacina contra a covid para a faixa etária de 6 meses a 5 anos, que ainda não pode tomar o imunizante na maioria dos países.

A Pfizer-BioNTech fez um ensaio clínico no qual administrou três doses de três microgramas e registrou que a vacina provoca uma forte resposta imune.

Os efeitos colaterais, segundo a empresa, foram similares entre os que receberam a vacina e o placebo. A eficácia da vacina foi de 80,3%, segundo uma estimativa preliminar.

“Estamos satisfeitos que nossa formulação para as crianças mais novas, que selecionamos cuidadosamente para ser um décimo da dose para adultos, foi bem tolerada e produziu uma forte resposta imunológica”, afirmou o CEO da Pfizer, Albert Bourla, em um comunicado.

“Esperamos concluir em breve nossas apresentações aos reguladores em todo o mundo, com a esperança de disponibilizar esta vacina para crianças mais novas o mais rápido possível, submetida às autorizações regulatórias”, acrescentou.

Os especialistas da FDA programaram três reuniões em junho para decidir se autorizam as vacinas contra a covid da Pfizer para menores de cinco anos e da Moderna para menores de seis anos – esta última administrada em duas doses de 25 microgramas.

A princípio, a agência pretendia avaliar a vacina da Pfizer administrada em duas doses em fevereiro, mas os dados mostraram que não provocava uma resposta imunológica suficientemente forte nas crianças de dois a quatro anos.

O FDA solicitou então os dados de uma terceira dose.

Efeitos colaterais leves

De acordo com os novos dados, 1.678 crianças receberam a terceira dose pelo menos dois meses depois da segunda, no momento em que a variante ômicron era predominante.

Uma análise de um subconjunto de participantes revelou que os níveis de anticorpos eram semelhantes aos observados em jovens de 16 a 25 anos que receberam duas doses. Não foram identificados novos eventos adversos e a maioria dos efeitos colaterais foi leve ou moderado.

“De acordo com o comunicado para a imprensa da Pfizer, as três doses de sua vacina contra a covid parecem ser muito seguras e altamente eficazes para prevenir não apenas casos graves da doença, a hospitalização e a morte por covid, mas também a covid sintomática em uma época na qual a ômicron era a variante dominante”, declarou à AFP Celine Gounder, editora chefe de saúde pública da Kaiser Health News.

“Porém, sabemos que a proteção contra a infecção por SARS-CoV-2 e a doença sintomática mais leve diminuem com o tempo”, acrescentou Gounder, especialista em doenças infecciosas e epidemiologista.

“A Pfizer informa os dados de acompanhamento apenas até sete dias depois da terceira dcose da vacina. É muio cedo para dizer como funcionariam as três doses após vários meses ou um ano”.

“Gostaria que a vacina de duas doses tivesse funcionado para a Pfizer-BioNTech. Não funcionou. Mas a série de três doses parece ter dado a estas crianças tão pequenas a proteção que queremos que tenham”, declarou à AFP Jeremy Faust, do Departamento de Medicina de Emergência do Hospital Brigham and Women’s, em Boston.

Os casos graves de covid são raros entre crianças com menos de cinco anos. Estados Unidos registraram 477 mortes nesta faixa etária, 0,1% de todas as vítimas fatais.

Artigos relacionados
Sociedade

A dura batalha na OMC para liberar as patentes das vacinas contra a covid

MundoSociedade

EUA limitam uso da vacina anticovid da Johnson & Johnson

Sociedade

Venezuela torna obrigatória dose de reforço a cada quatro meses

BrasilSociedade

Sem vacina, Covid mata 26 vezes mais

Assine nossa Newsletter