Ofensiva contra urnas envolveu Abin e generais Ramos e Heleno - Plataforma Media

Ofensiva contra urnas envolveu Abin e generais Ramos e Heleno

O uso das instituições públicas para buscar informações contra as urnas eletrônicas vem desde 2019 e envolve o general Luiz Eduardo Ramos e a Abin (Agência Brasileira de Inteligência), atrelada ao Gabinete de Segurança Institucional chefiado pelo também general Augusto Heleno, mostra o inquérito da Polícia Federal.

A investigação da PF, relatada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), foi aberta para apurar a live de 29 de julho de 2021. Na ocasião, o presidente Jair Bolsonaro (PL) fez seu maior ataque ao sistema eleitoral, apresentando uma profusão de mentiras e teorias da conspiração sobre as urnas. O caso agora tramita dentro do inquérito das milícias digitais.

Bolsonaro ataca o sistema eleitoral desde quando era deputado e aumentou o tom das críticas na Presidência, em especial após a sua popularidade diminuir com as seguidas crises de sua gestão, quando passou a levantar suspeitas sobre os resultados da próxima eleição.

No embalo de Bolsonaro, as Forças Armadas passaram a questionar o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sobre supostas fragilidades no sistema eletrônico de votação e criaram tensão com o Judiciário por causa do alinhamento às teses conspiratórias do presidente da República.

Leia mais em Folha de S. Paulo

Artigos relacionados
AngolaPolítica

14 milhões de angolanos aptos para votar a 24 de Agosto

BrasilSociedade

Bolsonaro: "Há indícios de que fizeram alguma maldade com desaparecidos"

BrasilPolítica

Cancelada divulgação de pesquisa que dá vantagem de Lula sobre Bolsonaro

BrasilPolítica

Biden discutirá eleições 'livres' com Bolsonaro

Assine nossa Newsletter