Coachella: uma canção para a Ucrânia e um Batman mexicano -

Coachella: uma canção para a Ucrânia e um Batman mexicano

“Vamos dançar na gasolina”, cantava Damiano David, vocalista da banda italiana Måneskin, num concerto impressionante que abanou o palco Mojave do festival Coachella. “Como é vocês dormem à noite? Como é que fecham os olhos, vivendo com essas vidas todas nas vossas mãos?”, continuava. “Sozinhos nessa montanha, usando o vosso combustível para matar.”

A canção, que fechou um concerto eletrizante dos italianos que ganharam o Festival da Eurovisão em 2021, foi escrita para apoiar a Ucrânia. “Não vamos assistir a isso parados”, diz a letra. “Vejam-nos a dançar. Vamos dançar na gasolina.” Enquanto a banda tocava, imagens da destruição que a Rússia está a provocar no país apareciam nos ecrãs, sobrepostas nos olhos do presidente russo Vladimir Putin. O som caótico e urgente da nova canção era impossível de ignorar, tal como a guerra. Isso mesmo foi o que gritou Damiano David antes de abandonar o palco. “Libertem a Ucrânia“, pediu. “O Putin que se f***.”

A performance dos Måneskin, que tocaram a música da Eurovisão “Zitti e buoni” e uma versão interessante de “Womanizer” de Britney Spears, aconteceu no terceiro e último dia do primeiro fim-de-semana do Coachella, que regressou ao deserto californiano três anos depois. A noite terminou em grande festa com um set bem estruturado dos Swedish House Mafia – Axwell, Steve Angello e Sebastian Ingrosso, que puseram a maior multidão noturna do festival a saltar durante mais de 45 minutos. Apesar de um atraso de meia hora, o trio de DJs foi recebido com entusiasmo por uma audiência ansiosa por dançar e contente pela temperatura amena que ainda se fazia sentir depois das dez da noite.

“Permitam-nos que nos apresentemos outra vez”, gracejou Axwell quando os DJs tomaram o palco, dizendo o nome de cada um. A multidão respondeu e dançou como se estivesse numa rave no deserto, o que levou Axwell a endereçá-los novamente. “Obrigada por nos receberem de volta desta maneira”, disse, lembrando que o trio se tinha separado e que voltaram a tocar juntos por vontade dos fãs. Um dos momentos mais altos do set foi, quase no final, a atuação de “Don”t you worry child”, que a audiência cantou a plenos pulmões.

The Weeknd, o grande nome que faltava para fechar o cartaz, apareceu a seguir sem intervalo, fazendo jus ao alinhamento que veio substituir Kanye West (que cancelou a atuação a semanas do festival). O cantor entregou boas interpretações de êxitos como “Can”t feel my face”, “Blinded by the lights” ou “The Hills.”

Antes das emoções finais, o palco principal já tinha oferecido aos fãs os concertos exuberantes de Doja Cat e Karol G, que trouxe o DJ Tiesto para a sua performance.

Ainda durante o dia, a banda de Los Angeles Chicano Batman deu a provar do seu som de fusão latina aos fãs que se juntaram no palco Gobi, numa das performances mais sólidas do dia. A banda liderada por Bardo Martinez, um latino-americano que cresceu em Los Angeles, tem referências da música popular brasileira, rock latino vintage, cumbia e psicadélica.

Fora dos palcos, o ambiente no festival era de grande exuberância fashionista – olá, botas de cowboy, vestidos transparentes e pedras brilhantes coladas na cara – e de comunidade. Houve um sentido claro de comunhão neste regresso, apesar dos desconfortos que isso traz, como o estado das casas de banho, a inflação no preço da comida e a escassez de sítios à sombra para descansar.

Leia mais em Diário de Notícias

Related posts
AngolaSociedade

“Caçadores de óbito”, os truques para matar a fome em Luanda à custa dos funerais

Política

Zelensky pede apoio à resistência ucraniana durante os Grammy

Cultura

Foo Fighters ganha três Grammys, semana após morte de baterista

BrasilChina

Festival de Cinema Brasileiro em Pequim mostra diversidade cultural

Cultura

Festival de Berlim reabre esta semana ao público com precauções

Assine nossa Newsletter