China reconhece talibãs mediante “condições certas” - Plataforma Media

China reconhece talibãs mediante “condições certas”

O Governo chinês disse na sexta-feira que o reconhecimento dos talibãs como Governo legítimo do Afeganistão vai ser feito “quando estiveram reunidas as condições certas”, sinalizando assim um futuro apoio aos fundamentalistas islâmicos, que assumiram o poder em Agosto passado.

A posição de Pequim foi transmitida num comunicado do ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, emitido após uma reunião de dois dias entre representantes do Afeganistão, China, Rússia, Paquistão, Irão, Tajiquistão, Turquemenistão e Uzbequistão, em Tunxi, no centro da China.

Wang Yi disse que o Afeganistão não deve ser excluído da comunidade internacional e não se deve tornar um Estado falhado. “O Afeganistão sofre com a guerra há muitos anos e não acompanhou o desenvolvimento mundial. Esta situação não se pode prolongar”

Para o governante chinês, o governo interino do Afeganistão mostrou uma “atitude positiva” em relação a outras nações, mas os seus países vizinhos esperam mais progressos no combate ao terrorismo, na reconciliação entre grupos étnicos, e na constituição de um governo inclusivo que proteja os direitos das mulheres e das crianças.

“Resolver estes problemas requer esforços incessantes. Acreditamos que o reconhecimento diplomático do governo afegão virá quando estiverem reunidas as condições certas”, frisou Wang. “Esperamos que o governo interino afegão continue a dar passos sólidos e a fazer esforços concretos nessa direcção certa”, acrescentou.

Pequim ainda não reconheceu oficialmente os talibãs, mas foi uma das primeiras nações a estabelecer contactos com os fundamentalistas, após a retirada das tropas norte-americanas e internacionais. As autoridades chinesas descreveram o grupo como uma importante força militar e política no Afeganistão.

A reunião de dois dias em Tunxi, na província oriental de Anhui, foi realizada num período em que Pequim tenta reforçar a sua influência na região, face a renovadas tensões com vários países ocidentais.

Ucrânia em Tuxi

A invasão da Ucrânia pela Rússia colocou os laços de Pequim com Moscovo sob escrutínio. Wang Yi manteve conversas bilaterais com autoridades de outros países em Anhui nos últimos dois dias, durante as quais mencionou a crise na Ucrânia e alertou para um efeito de repercussão das sanções contra a Rússia.

Leia mais em Hoje Macau

Artigos relacionados
AngolaSociedade

“Caçadores de óbito”, os truques para matar a fome em Luanda à custa dos funerais

MundoPolítica

Afeganistão: Doadores prometem 2,2 MME para resposta humanitária

Sociedade

Talibã proíbe afegãs de viajar de avião sem parente masculino

PolíticaSociedade

EUA cancelam encontros com talibãs por manterem escolas interditas a raparigas

PolíticaSociedade

Talibãs fecham colégios do Ensino Médio para afegãs

Assine nossa Newsletter