Papa pede que Europa seja tão generosa com africanos como com ucranianos

Papa pede que Europa seja tão generosa com africanos como com ucranianos

O Papa Francisco pediu ontem que a Europa seja tão generosa com aqueles que chegam da outra parte do Mediterrâneo, numa referência à migração africana, como está a ser com os refugiados ucranianos

Papa pede à Europa a mesma generosidade com africanos como com ucranianos. O pontífice falava numa conferência de imprensa que realizou no voo de regresso da sua visita de dois dias a Malta e em que um dos principais temas foram os fluxos migratórios para os países do sul da Europa.

“A Europa está a receber com muita generosidade os ucranianos que batem à sua porta e espero que também receba aqueles que chegam da outra parte do Mediterrâneo”, observou Francisco.

No seu último ato em Malta, o chefe da Igreja Católica visitou um centro de acolhimento de migrantes e reiterou que “os migrantes são sempre bem-vindos”, mas “que cada governo deve dizer o que pode receber e para isso é necessário um acordo na Europa”.

Leia também: Papa volta a condenar guerra e pede a paz

Lamentou ainda “que nem todos estejam dispostos”, apesar de a história da Europa ser feita pela migração.

Mais uma vez, o Papa pediu uma política de migração partilhada na Europa para que países como Malta, Espanha, Itália ou Grécia “não tenham de carregar todo o peso”.

Francisco disse que os migrantes com quem falou em Malta contaram-lhe “coisas terríveis” e o que sofrem quando são devolvidos aos “campos de concentração nas margens da Líbia”.

A bordo do avião papal, Francisco brincou ainda ao afirmar que a sua saúde “é caprichosa” quando questionado sobre os problemas no seu joelho, que ficaram evidentes durante a visita a Malta.

Leia mais em Jornal de Angola

Artigos relacionados
EconomiaMundo

Reduções nas entregas de gás russo através do Nord Stream são "ataque" à Europa

Sociedade

Febre do caracol já infetou 56 milhões e pode ser fatal

EconomiaMundo

Venezuela tem petróleo que o mundo necessita e acusa Europa e EUA de suicídio económico

AngolaMoçambique

Líderes africanos tentam reduzir impacto da crise humanitária

Assine nossa Newsletter