Abramovich é um dos afetados por novas sanções. E o Chelsea -

Abramovich é um dos afetados por novas sanções. E o Chelsea

O oligarca Roman Abramovich, dono do Chelsea FC, clube que colocou à venda recentemente, está entre os sete cidadãos russos adicionados esta quinta-feira pelo governo britânico à sua lista de indivíduos sob sanções, em reação à invasão da Ucrânia pelas tropas de Vladimir Putin.

“Oligarcas e cleptocratas não têm lugar na nossa economia, nem na nossa sociedade. Com seus laços estreitos com Putin, são cúmplices de sua agressão”, afirmou a ministra dos Negócios Estrangeiros britânica, Liz Truss.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, acrescentou que não pode haver “paraísos seguros” para os apoiantes da invasão da Rússia à Ucrânia.

Esta decisão suspende a venda do Chelsea, clube de futebol que fica também impedido de vender bilhetes para jogos, negociar jogadores.

A ministra da Cultura, Nadine Dorries, disse que o Chelsea ainda poderá jogar partidas e pagar aos funcionários, mas admitiu que as sanções “têm um impacto direto no Chelsea e nos adeptos”.

“Temos trabalhado arduamente para garantir que o clube e o desporto nacional não sejam desnecessariamente prejudicados por estas importantes sanções. Para garantir que o clube possa continuar a competir e operar, vamos emitir uma licença especial que permitirá que os jogos sejam cumpridos, os funcionários sejam pagos e os titulares de bilhetes assistam aos jogos enquanto, crucialmente, Abramovich é privado de beneficiar da propriedade do clube”, anunciou na rede social Twitter.

A decisão de vender o clube foi anunciada a 2 de março e justificada por Abramovich com a “atual situação”. Segundo o milionário, o dinheiro resultante do negócio será doado “a todas as vítimas da guerra na Ucrânia”.

Abramovich, de 55 anos, é dono do Chelsea desde 2003 e garantiu que este processo de venda “seguirá o processo devido e não será acelerado”, e não vai exigir o pagamento de “quaisquer empréstimos”, ou seja, dinheiro que colocou no clube.

“Nunca foi um negócio, nunca foi pelo dinheiro, mas antes por pura paixão pelo futebol e pelo clube. Instruí a minha equipa a criar uma fundação através da qual todos os lucros líquidos da venda serão doados”, explicou Abramovich, que tem também nacionalidade portuguesa.

Leia mais em Diário de Notícias

Related posts
MacauSociedade

Universidade de Macau aposta na internacionalização

AngolaPolítica

UNITA diz que Tribunal Constitucional aceitou providência cautelar

AngolaSociedade

“Caçadores de óbito”, os truques para matar a fome em Luanda à custa dos funerais

PolíticaSociedade

Putin: sanções à Rússia podem disparar preços mundiais dos alimentos

ChinaPolítica

Rússia diz que China se recusa a fornecer peças de aeronaves

Política

Reunião entre ministros. "Sem avanços para cessar-fogo"

Política

Kremlin pedirá 'informações' ao Exército sobre bombardeio de hospital

Assine nossa Newsletter