Exceções às mudanças do regime dos vistos ‘gold’ - Plataforma Media

Exceções às mudanças do regime dos vistos ‘gold’

vistos gold

As alterações ao sistema de vistos ‘gold’ de Portugal, que atraiu na sua maioria cidadãos chineses, deveriam afastar o investimento em Lisboa, e zonas costeiras, para o interior, mas há exceções. A consultora imobiliária Athena Advisers disse à revista Visão que estão a surgir projetos no centro de Lisboa, nomeadamente em Alcântara e na Avenida da Liberdade.

Apesar das restrições, o mercado está a ajustar-se e a procura está a crescer nas zonas costeiras, mas com baixa densidade de construção (como a Comporta ou Costa Vicentina), disse David Moura-George, diretor-geral da consultora. No segundo semestre deste ano, os projetos começarão a ser anunciados no centro de Lisboa para os vistos ‘gold’, mas estruturados em apartamentos turísticos, uma das formas permitidas pela lei.

Leia também: Vistos gold. Portugal perdeu um terço dos investidores

“As pessoas pensavam que o programa iria terminar, mas já começaram a perceber que não é bem assim”, disse. A aquisição de bens comerciais, “seja uma loja, um escritório ou um apartamento turístico” por um valor superior a 500 mil euros, permite a obtenção de visto. Outra opção é a compra de uma casa numa zona de baixa densidade, não necessariamente no campo.

Segundo a Visão, a consultora internacional Athena Advisers registou um aumento de cerca de 20 por cento na procura de produtos comerciais em Lisboa e Porto e de cerca de 25 por cento para produtos em regiões de baixa densidade ainda elegíveis para o programa, entre os quais, Costa Vicentina, Melides, Comporta e as ilhas da Madeira e Açores.

No setor comercial e de acordo com a Athena Advisers, os produtos mais procurados são lojas e escritórios com bilhetes de investimento entre 500 mil e 750 mil euros, “de preferência com inquilinos que ofereçam confiança e estabilidade, que proporcionem um bom retorno financeiro e que tenham contratos de arrendamento a longo prazo”, destacou. Esta dinâmica está também a ter impacto na oferta de um produto imobiliário especificamente estruturado para apartamentos turísticos, onde o investidor compra uma casa (ou mais) com um valor global superior a 500 mil euros, entrega-a à gestão turística, pode usufruir do seu espaço por algumas semanas durante o ano e ainda consegue obter o visto. Esta forma de atrair investimento está a estimular iniciativas no centro de Lisboa.

Leia também: Vistos gold continuam atrativos apesar de mudanças

“No segundo semestre deste ano, cada vez mais projetos de promoção imobiliária começarão a surgir para apartamentos turísticos em Lisboa”, disse o funcionário. A criação de fundos de investimento em participações privadas está também a ganhar força na concessão dos vistos ‘gold’, permitindo a continuação do pedido de visto através da aquisição de propriedades residenciais em zonas com restrições, como Lisboa e Porto, embora o montante mínimo de investimento tenha subido de 350 mil para 500 mil euros no início de 2022. “Portugal continuará a atrair investimento estrangeiro e continuará a ter boas oportunidades para oferecer em áreas cada vez mais diversificadas”, acrescentou o diretor-geral da Athena Advisers.

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
ChinaEconomia

Incerteza na China leva classe média a preparar “plano de fuga”

EconomiaPortugal

Vistos gold parados há mais de cinco meses em Portugal

ChinaEconomia

Chineses investiram 120 milhões de euros em Lisboa no ano passado

Hong KongMacau

Novas regras criaram corrida aos vistos ‘gold’ em Hong Kong e China

Assine nossa Newsletter