Brasil reafirma laços com Ucrânia enquanto Bolsonaro viaja para a Rússia

Brasil reafirma laços com Ucrânia enquanto Bolsonaro viaja para a Rússia

O Itamaraty reafirmou publicamente os seus laços diplomáticos com Kiev esta segunda-feira, no momento em que o presidente Jair Bolsonaro embarcou para a Rússia para uma visita oficial durante a crise entre Moscovo e os países ocidentais sobre a Ucrânia

Brasil reafirma os laços políticos com a Ucrânia. “O Ministro das Relações Exteriores, Carlos França, conversou por telefone hoje com o chanceler ucraniano, Dmytro Kuleba”, tuitou o Itamaraty, pouco antes de Bolsonaro decolar em um avião oficial rumo à Rússia.

O ministro França “ouviu a avaliação de seu homólogo sobre a atual situação na fronteira entre Ucrânia e Rússia” e “reiterou a posição brasileira em favor da resolução pacífica”, acrescentou o Itamaraty, que lembrou que Brasil e Ucrânia comemoraram recentemente 30 anos de relacionamento diplomático.

Brasil reafirma os laços com a Ucrânia mas, apesar da escalada das tensões e do descontentamento dos Estados Unidos, Bolsonaro decidiu manter a visita ao presidente russo, Vladimir Putin, focada em questões de interesse bilateral como agricultura, energia e defesa.

O Brasil, importante produtor e exportador agrícola mundial, “depende em grande parte de fertilizantes da Rússia”, justificou Bolsonaro.

Leia mais sobre o assunto em: Bolsonaro irrita EUA por visitar Putin

Para analistas, a viagem de Bolsonaro – que também visitará nesta quinta a Hungria, liderada por seu aliado, o primeiro-ministro de extrema direita Viktor Orban – acontece no pior momento.

Numa crise sem precedentes desde a Guerra Fria, os países ocidentais temem que a Rússia invada a Ucrânia, depois de reunir dezenas de milhares de tropas nas fronteiras da ex-república soviética.

A Rússia estimou nesta segunda-feira que há uma “possibilidade” de resolver a crise ucraniana graças ao diálogo com os países ocidentais e anunciou o fim de algumas manobras militares.

No entanto, os Estados Unidos continuam insistindo que a Rússia pode iniciar uma invasão militar “a qualquer momento” e pediram a seus cidadãos que deixem a Ucrânia, um gesto ecoado por outros países. O governo Biden também realocou sua embaixada de Kiev para o oeste do país.

Related posts
AngolaEconomia

Angola e Rússia definem passos para intensificar a cooperação estratégica

Desporto

Open da Austrália proíbe bandeiras da Rússia e da Bielorrússia

Mundo

Ataques como Dnipro exigem “novas decisões” sobre fornecimento de armas

Mundo

Rússia reconhece morte de mais de 60 soldados em bombardeio ucraniano

Assine nossa Newsletter