Donald Trump é acusado de má gestão de documentação oficial

Donald Trump é acusado de má gestão de documentação oficial

A gestão que o ex-presidente americano Donald Trump fez dos seus documentos oficiais tornou-se o centro de múltiplas investigações nos Estados Unidos esta quinta-feira

Nas últimas semanas, o magnata foi acusado em várias ocasiões de ter descuidado deliberadamente de alguns de seus arquivos antes de sua transmissão obrigatória aos Arquivos Nacionais americanos.

Esta agência federal pediu, segundo vários veículos de comunicação, que a justiça abra uma investigação depois que teve que recuperar na Flórida quinze caixas de documentos que Donald Trump levou consigo quando saiu de Washington em janeiro de 2021.

Nestas caixas estão cartas de Barack Obama e do líder norte-coreano, Kim Jong Un, assim como um mapa dos Estados Unidos que tinha sido alvo de trocas de mensagens acaloradas com o serviço meteorológico. Mas também, segundo o jornal The Washington Post, documentos classificados como “secretos”.

Os Arquivos Nacionais asseguram que o ex-presidente republicano não tinha o direito de ir embora com essas informações: segundo uma lei de 1978, todo presidente americano deve transmitir todos os seus e-mails, cartas e demais documentos de trabalho a esta agência, encarregada de conservá-los.

Consultados pela AFP, os Arquivos Nacionais e o Departamento de Justiça não quiseram nem confirmar, nem desmentir na quarta-feira o pedido de abertura de uma investigação.

Sanitários entupidos

Mas nesta quinta-feira, os papéis de Donald Trump voltaram a aparecer no centro de um novo caso. 

Em um livro prestes a ser publicado, um jornalista celebrado do New York Times assegura que funcionários da Casa Branca costumavam encontrar fardos de papéis que entupiam os sanitários, suspeitando que o presidente queria se livrar de documentos. 

Ao mesmo tempo, uma comissão do Congresso encarregada de supervisionar as autoridades federais anunciou a abertura de uma investigação sobre os arquivos do ex-inquilino da Casa Branca.

Sua presidente, Carolyn Maloney, disse que estava “extremamente preocupada” com as ações de Trump.

O ex-presidente, já questionado pela gestão de seus impostos e a forma como teria tentado se manter no poder após sua derrota eleitoral em novembro de 2020, tenta minimizar o assunto.

Suas trocas de mensagens com os Arquivos Nacionais sempre foram “respeitosas” e “colaborativas”, disse em nota à imprensa nesta quinta-feira, negando que pudesse ter jogado no vaso algum documento oficial.

Ele prometeu que alguns deles serão exibidos em sua biblioteca presidencial algum dia. 

“Caça às bruxas”

Na semana passada, os Arquivos Nacionais também revelaram que o ex-presidente tinha o hábito de rasgar alguns de seus documentos de trabalho, outra prática contrária à lei de 1978. 

Papéis enviados aos Arquivos tinham sido “colados com fita adesiva” por “funcionários da gestão de registros da Casa Branca”, outros ficaram como estavam, disseram.

Alguns destes documentos foram transferidos pelos Arquivos a uma comissão parlamentar que investiga o papel de Trump na invasão ao Capitólio, realizada por seus apoiadores em 6 de janeiro de 2021. 

O bilionário republicano, que qualificou reiteradamente a investigação de uma “caça às bruxas”, acusou nesta quinta a comissão de tentar deliberadamente desviar a atenção “da horrível situação em que a administração (de Joe) Biden mergulhou (o) país”.

Artigos relacionados
MundoPolítica

Audiências sobre ataque ao Capitólio dos EUA suspensas no meio de enxurrada de novas evidências

MundoPolítica

Comité do Congresso dos EUA analisa pressões de Trump para reverter eleições

Política

Zelensky "grato" por "importante" nova ajuda militar dos Estados Unidos

Política

Kremlin diz que Rússia e EUA estão num ponto de confronto "muito quente"

Assine nossa Newsletter