CEDEAO vai enviar força de apoio à estabilização da Guiné-Bissau

CEDEAO vai enviar força de apoio à estabilização da Guiné-Bissau

Os chefes de Estado e de Governo da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) decidiram ontem enviar uma força de apoio à estabilização para a Guiné-Bissau

A decisão foi tomada durante a conferência extraordinária dos chefes de Estados e de Governo da CEDEAO, que decorreu em Acra, no Gana, para analisar a instabilidade em vários países da organização.

“A conferência, tendo em conta os últimos desenvolvimentos, decidiu o envio de uma força de apoio à estabilização do país”, refere o comunicado final da cimeira, que reafirma a condenação da tentativa de golpe de Estado e o apoio ao Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló.

A ministra dos Negócios Estrangeiros da Guiné-Bissau, Suzi Barbosa, foi quem representou a Guiné-Bissau na cimeira dos chefes de Estado e de Governo.

Homens armados atacaram na terça-feira o Palácio do Governo da Guiné-Bissau, onde decorria um Conselho de Ministros, com a presença do Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, e do primeiro-ministro, Nuno Nabiam.

O ataque causou pelo menos 11 mortos, segundo o último balanço do Governo, e o Presidente considerou tratar-se de uma tentativa de golpe de Estado que poderá também estar ligada a “gente relacionada com o tráfico de droga”.

O Estado-Maior General das Forças Armadas guineense iniciou entretanto uma operação para recolha de mais indícios sobre o ataque, que foi condenado pela comunidade internacional.

A Guiné-Bissau é um dos países mais pobres do mundo, com cerca de dois terços dos 1,8 milhões de habitantes a viverem com menos de um dólar por dia, segundo a ONU.

Desde a declaração unilateral da sua independência de Portugal, em 1973, sofreu quatro golpes de Estado e várias outras tentativas que afetaram o desenvolvimento do país.

A CEDEAO já teve na Guiné-Bissau uma força de estabilização entre 2012 e 2020, denominada Ecomib.

A força saiu do país em setembro de 2020, depois de terem sido acantonadas em março do mesmo ano por decisão do Presidente guineense.

As forças da Ecomib estiveram na Guiné-Bissau na sequência de um golpe de Estado militar ocorrido em 2012 e tinham como missão garantir a segurança e proteção aos titulares de órgãos de soberania guineenses.

A Ecomib foi autorizada em 26 de abril de 2012 pela CEDEAO.

Related posts
BrasilSociedade

Caminhoneiros e taxistas brasileiros recebem auxílio nesta terça

BrasilPolítica

Brasil/Eleições: Autor de ‘impeachment’ a Dilma declara apoio a Lula

PolíticaPortugal

MNE visita Albânia e Macedónia do Norte para mostrar apoio sobre adesão à UE

Cabo VerdeEconomia

Apoio do BM permite a Cabo Verde construir centrais solares

Assine nossa Newsletter