Corais estão quase condenados a desaparecer, indica estudo

Corais estão quase condenados a desaparecer, indica estudo

Os recifes de coral, graças aos quais sobrevivem cerca de 500 milhões de pessoas, provavelmente estão condenados a desaparecer devido ao aquecimento global, mesmo que as metas de Paris sejam cumpridas, apontou um estudo nesta terça-feira (1º)

Considerando a meta mais ambiciosa dos acordos de 2015, limitar o aquecimento a +1,5 ºC em relação à era pré-industrial, mais de 99% dos corais não conseguiriam se recuperar das ondas de calor marinhas, cada vez mais frequentes, segundo os autores do estudo publicado na revista PLOS Climate.

E com um aumento de temperatura de +2 ºC, sua mortalidade seria de 100%, dizem os pesquisadores, que usaram uma nova geração de modelos climáticos que analisam os oceanos com uma resolução de um km2.

“A dura realidade é que não há limite de aquecimento seguro para os recifes de coral”, que abrigam um quarto da vida marinha, afirmou a autora principal Adele Dixon, da Universidade de Leeds, no Reino Unido.

Diante da multiplicação de ondas de calor, tempestades, inundações e outros fenômenos extremos que ocorrem com o atual aquecimento de +1,1 ºC, o limite de +1,5 ºC se tornou, na prática, a principal meta do Acordo de Paris.

Mas o último relatório de especialistas em clima da ONU (IPCC) alertou que esse marco pode ser alcançado já em 2030. 

Em 2018, o IPCC previu o desaparecimento de 70 a 90% dos corais com aumento de +1,5 ºC e 99% com aumento de +2ºC. Este estudo, porém, garante que são estimativas muito otimistas.

“Nossas pesquisas mostram que os corais ao redor do mundo tudo serão ainda mais ameaçados pelas mudanças climáticas do que pensávamos”, declarou Dixon.

O aumento da temperatura da água provoca episódios de branqueamento dos corais que enfraquecem esses organismos. Os recifes precisam de pelo menos 10 anos para se recuperar se todos os outros fatores forem ideias, explicou Maria Berger, outra autora do estudo.

No entanto, o aquecimento global multiplica as ondas de calor marinhas e impossibilita essa regeneração.

Estudos recentes indicam que 14% dos corais já desapareceram entre 2009 e 2018 devido ao aquecimento e à poluição, transformando paisagens subaquáticas coloridas e vitais em cemitérios de esqueletos esbranquiçados.

Related posts
BrasilSociedade

Brasil aposta no hidrogénio verde com a construção da maior fábrica do mundo

BrasilSociedade

Cidade de São Paulo tem mês de julho mais quente desde 1943

BrasilCultura

Mostra Ecofalante de Cinema estreia em São Paulo esta quarta-feira

EconomiaLusofonia

26 anos de CPLP: a economia e o mar no futuro da comunidade

Assine nossa Newsletter