Rússia inclui opositor Navalny na lista de 'terroristas e extremistas' -

Rússia inclui opositor Navalny na lista de ‘terroristas e extremistas’

A Rússia incluiu o principal opositor do governo, Alexei Navalny, há um ano preso, na lista de “terroristas e extremistas” do Rosfinmonitoring, o serviço de vigilância financeira do país. 

Nesta lista, também foi incluído um dos colaboradores mais próximos de Navalny, Liubov Sobol, que decidiu se exilar frente à perseguição das autoridades. 

Neste catálogo, há milhares de pessoas e organizações proibidas na Rússia, como os jihadistas do grupo Estado Islâmico, ou os talibãs afegãos.

Esta lista foi consultada pela AFP nesta terça-feira (25).

De acordo com o Fundo de Luta contra a Corrupção de Navalny, proibido desde junho pelas autoridades, pelo menos outras nove pessoas vinculadas ao movimento foram adicionadas à lista. 

Esta decisão se enquadra em um contexto de repressão às vozes críticas no país. 

Em meados de janeiro, os dois principais colaboradores de Navalny, Ivan Khdanov e Léonid Volkov, também no exílio, já haviam sido incluídos.

Navalny foi preso em 17 de janeiro de 2021 ao desembarcar em Moscou. Ele passou meses em tratamento na Alemanha, após ser envenenado na Sibéria. Ele acusa o presidente russo, Vladimir Putin, pelo episódio.

A Rússia não abriu uma investigação sobre esta tentativa de homicídio e afirma que não há provas, uma vez que a Alemanha não compartilhou os exames médicos feitos em Navalny. 

Em seu retorno à Rússia, o opositor do Kremlin, de 45 anos, foi condenado a dois anos e meio de prisão por um caso de “fraude”. Ele denuncia esta acusação como puramente política. Sua condenação provocou uma enxurrada de críticas internacionais e novas sanções ocidentais contra Moscou.

Assine nossa Newsletter