Funcionários de ONG em Myanmar desaparecidos após ataque do exército

Funcionários de ONG em Myanmar desaparecidos após ataque do exército

Dois funcionários da organização não-governamental Save The Childrens continuam desaparecidos num incidente ligado ao assassinato de 38 civis, incluindo mulheres e crianças, na sequência de um ataque do Exército de Myanmar

“Temos a confirmação de que o seu veículo privado foi atacado e queimado. Os militares terão forçado as pessoas a sair dos seus carros, prenderam alguns, mataram outros e queimaram os seus corpos”, acusou a organização numa declaração, observando que os seus trabalhadores estavam a regressar a casa para o Natal.

O incidente teve lugar na sexta-feira numa estrada perto da cidade de Moso, no estado de Kayah, no leste do país.

Segundo a ONG Karenni Human Rights Group, que inicialmente denunciou o massacre, as vítimas são pessoas deslocadas internamente que foram mortas pelos militares.

A organização, que acompanhou a declaração de sábado com fotografias do massacre, descreveu o incidente como uma “horrenda violação dos direitos humanos” e apelou a que os responsáveis fossem levados à justiça.

A imprensa pró-governamental, entretanto, disse que os militares abateram um número desconhecido de “terroristas armados” em sete veículos que não tinham a intenção de parar a pedido dos oficiais.

O estado de Kayah é uma das áreas onde guerrilhas étnicas armadas estão a confrontar o exército, que, desde a tomada do poder em 01 de Fevereiro, tem estado em alvoroço contra esta e outras áreas controladas por rebeldes que se opõem ao governo da junta militar.

A Força de Defesa Nacional Karenni (KNDF), activa na região,

Myanmar entrou em espiral de crise e violência desde que os militares liderados por Min Aung Hlaing tomaram o poder num golpe de Estado a 01 de Fevereiro.

Para além de protestos pacíficos e de um movimento de desobediência civil, as milícias civis formaram-se e pegaram em armas ao lado de guerrilhas étnicas que têm estado em conflito com os militares birmaneses durante décadas.

Quase 11 meses após a revolta, a junta militar ainda não está em pleno controlo do país, apesar da violência brutal utilizada contra a dissidência, que até agora deixou pelo menos 1.375 pessoas mortas, segundo uma organização ativista birmanesa.

Artigos relacionados
MundoPolítica

Aung San Suu Kyi julgada novamente por corrupção 

Política

Antiga líder de Myanmar julgada em novo caso de corrupção

MundoPolítica

Myanmar: Líder deposta condenada a mais cinco anos de prisão

MundoPolítica

ONU condena massacre atribuído ao exército birmanês

Assine nossa Newsletter