Laboratório sino-português junta-se à iniciativa Uma Faixa, Uma Rota

Laboratório sino-português junta-se à iniciativa Uma Faixa, Uma Rota

O Ministério da Ciência e Tecnologia da China anunciou que um laboratório sino-português, dedicado ao desenvolvimento de tecnologia para vigiar a saúde dos oceanos, passou a fazer parte da iniciativa chinesa Uma Faixa, Uma Rota

De acordo com um comunicado divulgado na quarta-feira, o Laboratório Conjunto Sino-Português de Tecnologia Espacial e Marítima (STARLab) recebeu a distinção, através de videoconferência.

O STARLab é um projeto conjunto da Fundação para a Ciência e Tecnologia de Portugal e da Academia para a Inovação em Microssatélites da Academia Chinesa de Ciências (IAMCAS, na sigla em inglês).

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Portugal referiu à Lusa que o laboratório partiu de um acordo de cooperação científica e tecnológica assinado durante a visita do líder chinês, Xi Jinping, a Lisboa, em 2018.

Segundo o Xinmin Evening News, Zhang Yonghe, diretor da IAMCAS, disse que o laboratório está a estudar as mudanças climáticas, as correntes no oceano profundo e a saúde dos ecossistemas marinhos.

O objetivo do STARLab é criar tecnologia que permita não apenas monitorizar e proteger os oceanos, mas também promover o desenvolvimento sustentável da economia marítima, acrescentou o académico.

O laboratório tem servido de plataforma para a cooperação com universidades e instituições de investigação de Portugal, disse o vice-diretor principal da IAMCAS, Lin Baojun, citado pelo diário estatal chinês.

Quase 40 representantes de universidades e instituições de investigação científica da China e Portugal participaram no seminário de terça-feira, disse o ministério da Ciência e Tecnologia chinês.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior português, Manuel Heitor, e o seu congénere chinês, Wang Zhigang, encontraram-se também na terça-feira, de forma virtual.

Durante a reunião de trabalho, Manuel Heitor apelou a um maior intercâmbio de estudantes e investigadores científicos entre Portugal e a China.

Já Wang Zhigang defendeu que, desde 2018, tem havido “progresso substancial” na cooperação bilateral em áreas como as mudanças climáticas, desenvolvimento sustentável e proteção do património cultural.

Leia mais em Hoje Macau

Related posts
FuturoLifestyle

Cirurgiões transplantam com sucesso um coração de porco numa pessoa

MundoSociedade

Pfizer aprovou o primeiro comprimido contra a doença

ChinaLifestyle

Encontrado embrião de dinossauro perfeitamente preservado

Mundo

Cientistas com cautela no vínculo entre tornados e mudanças climáticas

Assine nossa Newsletter