Gás natural em Moçambique: Projetos poderão ser substituídos pelo investimento chinês - Plataforma Media

Gás natural em Moçambique: Projetos poderão ser substituídos pelo investimento chinês

O financiamento chinês poderá substituir o de países ocidentais em projetos de petróleo e gás em Moçambique, aponta o CEO da Galp. 

“Há países que vão receber este produto”, referiu Andy Brown, CEO da Galp, aludindo ao gás natural liquefeito no norte de Moçambique e apontando para o exemplo da China. 

A China quer “substituir urgentemente o carvão por gás devido a razões ambientais e imagino que estariam interessados em investir neste tipo de projetos”, observou Brown em declarações à Lusa, a propósito da participação da Galp na Área 4 de exploração de gás da bacia do Rovuma. 

Leia mais sobre o assunto: Galp aponta paz como condição para investimentos em Moçambique

“O financiamento de projetos de petróleo e gás está a tornar-se mais difícil, mas nem todos subscrevem o não investimento no setor”, explicou. “Não acredito que depois do que foi anunciado na COP26 isto leve a que não haja possibilidade de financiamento”, acrescentou, reiterando que “o mundo ainda precisa de muito petróleo e gás”. 

Sobre a posição da Galp face aos investimentos onshore da Área 4, que têm sido sucessivamente adiados pelo operador Exxon Mobil, Brown garante “querer desenvolver o projeto”. 

O consórcio da Área 4, onde a Galp detém uma participação de 10 por cento, “espera lançar” o investimento, “mas apenas quando a segurança estiver garantida” em Cabo Delgado, explicou o presidente executivo da empresa sediada em Lisboa. A insurreição armada tem afetado a província e deu origem à suspensão do investimento por parte da companhia petrolífera Total em março deste ano. 

Este artigo está disponível em: 繁體中文

Related posts
MoçambiqueSociedade

Violência impede 3.400 alunos de realizar exames em Moçambique

EconomiaMoçambique

Filipe Nyusi pede retoma da agricultura nas zonas libertadas de Moçambique

PolíticaSociedade

Estratégias discutidas face aos raptos e terrorismo em Moçambique

MoçambiqueSociedade

Grupo armado mata e rapta quatro pessoas em Moçambique

Assine nossa Newsletter