Provocar o tigre - Plataforma Media

Provocar o tigre

A Lituânia lamentou recentemente a decisão do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China de reduzir as relações diplomáticas entre os países para o nível de “encarregado de negócios”. A aprovação de uma representação de Taiwan na Lituânia foi a principal razão para a mudança, com a China a demonstrar o seu descontentamento com contramedidas imediatas. Mesmo após avisos sucessivos, a Lituânia escolheu ultrapassar os limites aceites: provando que o seu objetivo inicial era desafiar a soberania e a integridade territorial chinesa, sem consciência das consequências graves. A China retirou a sua embaixada da Lituânia, solicitando que o país fizesse o mesmo. Eventualmente, o país europeu implementou a medida

É importante mencionar que por detrás deste ato se sente a sombra dos EUA: dois dias antes da sua decisão final, a república do Báltico demonstrava estar ainda hesitante. Contudo, Joe Biden afirmou respeitar os três grandes princípios chineses, um compromisso estratégico que não impediu os políticos americanos de continuarem a tentar contestar a China. A decisão acabou por ser tomada por um governo lituano imprudente, após uma visita de Uzra Zeya, Subsecretária de Estado para Segurança Civil, Democracia e Direitos Humanos dos EUA. Ambos alertaram outros países para não interferirem com a Lituânia.  

As contramedidas chinesas poderão não estar limitadas à redução de laços diplomáticos, prevendo-se que no futuro próximo sejam anunciadas medidas adicionais. Apesar da China não ser o maior parceiro comercial da Lituânia, não deixa de ser o maior mercado mundial. É também aquele com maior potencial, sendo o maior parceiro comercial do país na Ásia e responsável por grande parte do seu potencial crescimento.  

O mais provável é que a China implemente sanções comerciais, como a suspensão das suas importações e redução do número de exportações, algo que irá aumentar o custo de funcionamento da economia lituana. Através do seu poder diplomático, a Rússia e a Bielorrússia poderão também exercer pressão económica e política sobre o país báltico. O presidente bielorrusso, Lukashenko, chegou até já a afirmar que Vilnius é seu território. Os próximos discursos irão deixar a Lituânia sem dormir.  

Leia também: NATO pede mais inteligência artificial perante ameaça da China

*Editor chinês do PLATAFORMA

Related posts
ChinaPolítica

Taiwan inicia exercícios militares com fogo real

ChinaPolítica

China prolonga por um dia exercícios militares ao largo de Taiwan

ChinaPolítica

CIA diz que China está a aprender com a guerra na Ucrânia para atacar Taiwan

MundoPolítica

Pequim condena passagem de navio de guerra dos EUA por Taiwan

Assine nossa Newsletter