China avisa Bruxelas que contactos com Taiwan vão prejudicar relação

China avisa Bruxelas que contactos com Taiwan vão prejudicar relação

A China pediu ontem à União Europeia (UE) que evite “enviar sinais errados aos separatistas taiwaneses”, após a visita de uma delegação de eurodeputados a Taiwan, suscetível de “prejudicar as relações” entre Bruxelas e Pequim

“Os eurodeputados devem estar plenamente cientes da complexidade e sensibilidade da questão taiwanesa, que é essencial para um bom desenvolvimento das relações China -UE”, disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros Wang Wenbin, em conferência de imprensa.

“Instamos que a UE se abstenha de enviar sinais errados aos separatistas taiwaneses, a fim de evitar prejudicar as relações” entre Bruxelas e Pequim, notou.

De acordo com o porta-voz chinês, os “atos separatistas” do partido da governação em Taiwan, o Partido Democrático Progressista (PDP), “não podem mudar o facto de que Taiwan é parte da China”.

“Um pequeno grupo de políticos não pode mudar a tendência histórica inevitável da reunificação da China”, disse.

As declarações surgem depois de o chefe da delegação de eurodeputados que visita a ilha, Raphael Glucksmann, ter afirmado hoje que o objetivo da viagem é passar a mensagem “simples e clara” de que a “Europa está ao lado de Taiwan na defesa da liberdade”.

De acordo com a agência de notícias oficial da ilha CNA, durante o encontro com a líder de Taiwan, Tsai Ing-wen, Glucksmann indicou que Taiwan é a “democracia mais vibrante da região do Indo-Pacífico” e “um tesouro que todos os democratas do mundo deveriam valorizar e proteger”.

O jornal oficial do Partido Comunista Chinês Global Times avisou na quarta-feira que, para Pequim, a visita é uma “provocação”, feita por eurodeputados “radicais”.

“O Parlamento Europeu tornou-se cúmplice dos Estados Unidos na tentativa de inflamar a questão taiwanesa e aumentar as tensões”, disse o jornal.

Glucksmann é um dos eurodeputados que foi sancionado por Pequim, em março passado, em resposta às sanções impostas pela UE a quatro funcionários e a uma entidade chinesa por violações dos Direitos Humanos na região autónoma de Xinjiang, algo que Pequim negou repetidamente.

Foram as primeiras sanções da UE contra a China desde o massacre da Praça Tiananmen, em 1989.

A troca de sanções levou o Parlamento Europeu a congelar, em maio, o processo de ratificação do acordo de investimento alcançado entre a UE e a China, em dezembro passado, após sete anos de negociações.

Related posts
ChinaPolítica

Taiwan inicia exercícios militares com fogo real

ChinaPolítica

China prolonga por um dia exercícios militares ao largo de Taiwan

MundoPolítica

UE pode alterar sanções contra a Rússia caso afetem alimentos ou fertilizantes

ChinaPolítica

CIA diz que China está a aprender com a guerra na Ucrânia para atacar Taiwan

Assine nossa Newsletter