EUA “absolutamente” capazes de defender Taiwan - Plataforma Media

EUA “absolutamente” capazes de defender Taiwan

O chefe do Estado-Maior norte-americano, Mark Milley, defendeu hoje que os Estados Unidos têm “absolutamente a capacidade” para defender Taiwan da China, se necessário

Inquirido numa conferência do ‘think tank’ Aspen Security Forum sobre o risco a curto-prazo de um ataque da China a Taiwan, o oficial norte-americano mais graduado considerou que “não é provável” que tal aconteça nos próximos 24 meses.

“Dito isso, os chineses estão clara e inequivocamente em vias de obter capacidades necessárias para dar opções à liderança do país, se ela o desejar, no futuro”, acrescentou.

Quando o questionaram sobre se os Estados Unidos seriam capazes de defender a ilha situada a menos de 200 quilómetros da costa chinesa, Milley garantiu: “Temos absolutamente a capacidade, não há qualquer dúvida”.

Mas acrescentou que os Estados Unidos desejam, acima de tudo, “uma solução pacífica” para o diferendo entre Taiwan e China.

O chefe do Estado-Maior norte-americano teve o cuidado de não se pronunciar sobre a utilidade ou inutilidade de os Estados Unidos recuarem na sua política de longa data conhecida como “ambiguidade estratégica”, segundo a qual Washington ajuda Taiwan a construir e fortalecer a sua defesa, mas sem prometer explicitamente que irá em seu auxílio em caso de ataque.

“Neste momento, é essa a nossa política e vai continuar a ser, por enquanto”, declarou.

Nas últimas semanas, multiplicou-se o “fogo cruzado” entre os Estados Unidos e a China sobre o destino daquela ilha de 23 milhões de habitantes que dispõe do seu próprio Governo, da sua moeda e do seu exército, mas que Pequim considera uma das suas províncias à espera de reunificação com o resto do país, pela força, se necessário.

Inquirido no mês passado sobre a possibilidade de uma intervenção militar norte-americana para defender Taiwan em caso de ataque da China, o Presidente norte-americano, Joe Biden, respondeu de forma afirmativa: “Sim, temos um compromisso nesse sentido”, declarou.

Tais palavras parecem contradizer a “ambiguidade estratégica” dos Estados Unidos e a Casa Branca assegurou, em seguida, que a sua política em relação a Taiwan não mudou: os Estados Unidos reconhecem desde 1979 a China comunista, em detrimento de Taiwan, mas o Congresso norte-americano impôs paralelamente o fornecimento de armas à ilha para sua defesa.

O general Milley considerou igualmente que a ascensão do poder da China representa um fator desestabilizador para o planeta.

“Estamos a entrar num mundo tripolar, com os Estados Unidos, a Rússia e a China como grandes potências”, afirmou.

Com três atores em vez de dois, “temos mais complexidade”, acrescentou. E com a chegada de tecnologias como a inteligência artificial, os mísseis hipersónicos e a militarização do espaço, “estamos a entrar num mundo que, na minha opinião, é potencialmente muito mais instável do ponto de vista estratégico” do que foi nos últimos 60 anos.

Related posts
MundoSociedade

Do Texas ao Michigan. Tornados nos EUA fazem pelo menos quatro mortos

Sociedade

Polícia investiga motivação de ataque a tiros que deixou 6 mortos em escola nos EUA

ChinaPolítica

China investiga auditoria dos EUA com filial em Pequim por 'operações ilegais'

Política

Rússia admite estar em conflito aberto com os Estados Unidos

Assine nossa Newsletter