Facebook altera nome de sua empresa-mãe para Meta

Facebook altera nome de sua empresa-mãe para Meta

Mark Zuckerberg, diretor-executivo do Facebook, anunciou ontem que a empresa-mãe da companhia passará chamar-se Meta para representar melhor todas as suas atividades. O nome de seus vários aplicativos vá ser mantido

Facebook mudou o nome da empresa-mãe. A mudança ocorre em um momento em que a gigante das redes sociais tenta se defender de uma de suas piores crises e, ao mesmo tempo, orienta suas ambições para a versão de realidade virtual “metaverso”, que considera o futuro. 

Facebook, Instagram e WhatsApp manterão seus nomes na nova denominação do grupo. 

“Aprendemos muito ao enfrentar questões sociais e viver em plataformas fechadas, agora chegou a hora de pegarmos tudo o que aprendemos e ajudar a construir o próximo capítulo”, disse Zuckerberg durante uma conferência anual de desenvolvedores. 

“Estou orgulhoso de anunciar que a partir de hoje, nossa empresa é Meta. Nossa missão continua sendo a mesma, conectar as pessoas, e nossos aplicativos e marcas não vão mudar”, acrescentou. 

Críticos do Facebook divulgaram informes na semana passada segundo os quais a troca de nome visava a distrair a atenção dos recentes escândalos e polêmicas que têm a rede social no centro. 

Um grupo que se autodenomina “A verdadeira junta de supervisão do Facebook” alertou que grandes corporações, como por exemplo companhias petroleiras e de tabaco, mudam de nome para “desviar a atenção” de seus problemas. 

Facebook muda nome da empresa-mãe e “acredita que mudar de nome os ajudará a mudar de assunto”, alertou o grupo na semana passada, acrescentando que o “verdadeiro problema” é a necessidade de supervisão e regulamentação. 

O Facebook anunciou há dez dias planos para contratar 10.000 pessoas na União Europeia para desenvolver o “metaverso”, com Zuckerberg se colocando na vanguarda da promoção deste conceito. 

Momento de crise

O Facebook luta contra uma nova crise desde que sua ex-funcionária Frances Haugen vazou estudos internos mostrando que os executivos sabiam do potencial dano que seus aplicativos causam sobretudo nos mais jovens, o que provocou um novo impulso nos Estados Unidos para regulamentar as atividades na web. 

A rede social já tinha sofrido outras grandes crises, mas sua visão atual alimentou um frenesi de artigos mordazes e o escrutínio dos reguladores americanos. 

“As críticas de boa fé nos ajudam a melhorar, mas na minha opinião, o que vemos é um esforço coordenado para usar seletivamente documentos vazados para criar uma imagem falsa da nossa empresa”, disse Zuckerberg na segunda-feira. 

O jornal The Washington Post sugeriu no mês passado que o interesse do Facebook no metaverso é “parte de um impulso maior para reabilitar a reputação da companhia com os legisladores e reposicionar o Facebook para dar forma à regulação das tecnologias da Internet”. 

A Google se renomeou de Alphabet em uma reconfiguração corporativa em 2015, mas seu motor de buscas e a publicidade online continuam sendo sua unidade-chave, apesar de ter se lançado em outras operações, como o desenvolvimento de carros autônomos Waymo e a unidade científica Verily. 

Related posts
MundoPolítica

Crença em fraude eleitoral segue forte entre eleitores leais a Trump

MundoPolítica

EUA dizem estar preparados para todos os cenários sobre Ucrânia

MundoPolítica

Líder de grupo de ultradireita é indiciado por invasão ao Capitólio

ChinaPolítica

EUA argumenta contra reivindicações marítimas 'ilegais' da China

Assine nossa Newsletter