Autoridades desaconselham água após descarrilamento de comboio

Autoridades desaconselham água após descarrilamento de comboio

A Administração Regional de Águas do Norte (ARA-Norte) de Moçambique está a analisar a água de um rio para onde descarrilou um comboio com carvão na sexta-feira e pede que se evite o consumo

O carvão “é um recurso mineral passível de poluir a água. Apelamos à população que não se faça presente para evitar futuros problemas”, disse hoje à Rádio Moçambique o diretor-geral da ARA-Norte, Carlitos Omar.

O apelo é feito como forma de prevenção, enquanto se espera pelos resultados laboratoriais da análise à água, ao mesmo tempo que decorrem trabalhos de limpeza naquele curso de água.

A população de Moçambique fora dos grandes centros recorre com normalidade à água disponível em rios e ribeiros para se abastecer.

Um comboio ligava as minas da Vale em Moatize até ao porto de Nacala quando 40 dos 120 vagões abertos de carvão caíram de uma ponte sobre o rio Namutimba, cidade de Cuamba, na província do Niassa, matando duas crianças que nadavam.

Testemunhas dizem que o comboio circulava mais rápido que o normal, que houve carruagens que se separaram e depois embateram nas restantes, tombando no rio, mas as causas do acidentes ainda não foram reveladas.

A composição transportava 10.000 toneladas de carvão e dela faziam ainda parte quatro locomotivas.

De acordo com a Nacala Logistics, subsidiária da Vale que gere a linha férrea, “até que as condições de segurança estejam garantidas, a circulação de comboios de passageiros e de carga no troço em questão fica interdita”.

Related posts
MundoSociedade

EUA é maior poluidor com plásticos do mundo

BrasilPolítica

MP do Brasil quer retirada de extratores de ouro na Amazónia

Brasil

Brasil usará "força total" para reduzir desflorestação após acusações

Mundo

Após COP26, mundo deve adotar ações rápidas para evitar catástrofe

Assine nossa Newsletter