Relatório da CPI fará acusações duras contra Bolsonaro

Relatório da CPI fará acusações duras contra Bolsonaro

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado vai recomendar esta quarta-feira no seu relatório final o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro por crime de “epidemia com resultado de morte”, entre outros atribuídos à sua gestão da pandemia de covid-19, que deixou mais de 600.000 mortos no Brasil

O relatório da CPI tem acusações graves a Bolsonaro. Após seis meses de audiências conturbadas, com testemunhos emocionantes e revelações chocantes sobre as experiências com “cobaias humanas” com medicamentos ineficazes, a CPI, constituída por senadores de tendências diversas, apresenta seu aguardado relatório.

O documento, com cerca de 1.200 páginas, deverá ser lido – provavelmente uma versão abreviada – pelo relator da Comissão, o senador Renan Calheiros (MDB-AL). Ele anunciou na noite desta terça-feira (19) que irá apresentar nove acusações contra Jair Bolsonaro ao invés das 11 previstas inicialmente, entre elas as de “crime contra a humanidade” e “prevaricação”. 

Os crimes de “homicídio” e “genocídio de indígenas” foram retirados no último minuto devido a dissensos no âmbito da CPI.

Para a CPI, o governo Bolsonaro agiu com “dolo”, tendo decidido intencionalmente não adotar as medidas necessárias para conter a circulação do vírus.

As acusações gravíssimas devem, no entanto, ter um alcance sobretudo simbólico por enquanto, uma vez que o presidente se beneficia de apoios no Congresso que lhe permitem evitar a abertura de um processo de impeachment. O mesmo vale para o procurador-geral da República, Augusto Aras, um aliado de Bolsonaro, que pode barrar qualquer indiciamento.

A CPI também deve pedir o indiciamento de vários ministros e dos três filhos mais velhos do presidente, que qualificou a Comissão de “farsa”.

“Estamos com o relatório que está parecendo uma sentença, mas o governo está tranquilo. Você pode criticar a atitude dele [Bolsonaro], mas você não pode dizer que isso levou a crime. Você pode fazer a crítica, mas você não pode criminalizar o presidente da República”, declarou ao UOL Fernando Bezerra (MDB-PE), líder do governo no Senado.

“Nós merecíamos um pedido de desculpas”

A CPI não tem o poder de abrir processos judiciais, mas as revelações que apresentou podem ter um impacto político considerável, enquanto as pesquisas de opinião já situam Bolsonaro (sem partido) como derrotado perante o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a um ano das eleições presidenciais.

O relatório será encaminhado ao Ministério Público, que poderá indiciar ou não as pessoas incriminadas pela CPI. No caso de Jair Bolsonaro, especialistas consideram a acusação pouco provável, pois é incumbência do procurador-geral.

Após os depoimentos de vários ministros, altos funcionários ou dirigentes de hospitais e empresas, a CPI exibiu uma face mais humana na segunda-feira, com os testemunhos de familiares das vítimas da covid-19.

“Nós merecíamos um pedido de desculpas da maior autoridade do país (o presidente Bolsonaro). Não é questão de política, nós estamos falando de vidas”, declarou, com lágrimas nos olhos, o motorista de táxi Márcio Antônio Silva, que perdeu seu filho de 25 anos.

“O que vimos foi a antítese do que se esperava de um presidente da República. Jamais o vimos derramar lágrimas de compaixão ou expressar enorme pesar pelo povo brasileiro”, acrescentou perante a CPI Antônio Carlos Costa, presidente da ONG Rio de Paz.

“Punir os responsáveis”

A CPI investigou as responsabilidades do governo na grave escassez de oxigênio, que causou a morte de dezenas de pacientes por asfixia em Manaus, o discurso anticonfinamento de Jair Bolsonaro e sua negação da gravidade da pandemia, que chamou de “gripezinha”.

O governo também é apontado pelos atrasos e pelas suspeitas de corrupção na aquisição de vacinas.

A Comissão se debruçou, ainda, sobre as relações entre o governo e as empresas de saúde privadas, acusadas de promover o “tratamento precoce”, sobretudo a hidroxicloroquina, cuja ineficácia para a covid foi provada cientificamente.

Uma delas, a Prevent Senior, é suspeita de ter realizado sem o conhecimento de seus pacientes experiências com este tipo de tratamento e de ter pressionado os médicos para prescrevê-lo a “cobaias humanas”.

“O relatório desta CPI será para pedir a punição dos verdadeiros responsáveis por esse morticínio que aconteceu no Brasil, e são muitos. Não podemos (deixar de) puni-los”, resumiu nesta terça-feira o senador Omar Aziz (PSB-AM), presidente da CPI.

Related posts
MoçambiqueMundo

Serviços de saúde em Moçambique recusam grávidas em fuga

MacauSociedade

Saúde de Macau rejeita vacinação ou teste obrigatório em crianças

BrasilPolítica

Bolsonaro apelida semipresidencialismo como sistema "idiota"

MundoSociedade

Rastreios de VIH pode aumentar infeções por décadas

Assine nossa Newsletter