Puigdemont em Bruxelas após detenção em Itália - Plataforma Media

Puigdemont em Bruxelas após detenção em Itália

O líder independentista catalão Carles Puigdemont é acusado pela justiça espanhola de “sedição” pelo papel desempenhado no referendo sobre a independência da Catalunha em 2017

A informação foi confirmada pelo advogado do ex-presidente da Generalitat (governo regional catalão) e eurodeputado desde 2019 à agência France-Presse (AFP).

“Ele está em Bruxelas e irá regressar à Sardenha [ilha italiana onde foi detido na passada quinta-feira] no domingo” para comparecer a uma audiência judicial na segunda-feira sobre o pedido de extradição exigido por Espanha, indicou o advogado Gonzalo Boie, numa mensagem enviada à AFP.

A viver na Bélgica desde 2017, para escapar às acusações da justiça espanhola, Carles Puigdemont, de 58 anos, foi detido na quinta-feira, na sequência de um mandado de captura internacional, ao chegar ao aeroporto de Alghero na Sardenha, onde ia participar no festival catalão Adifolk.

Seria libertado no dia seguinte, tendo sido autorizado a sair do território italiano após ter assegurado que regressaria à Sardenha para comparecer à audiência de extradição.

Numa conferência de imprensa realizada no sábado, Carles Puigdemont afirmou que tinha de regressar à capital belga, Bruxelas, para participar numa reunião da comissão de comércio externo, da qual diz ser membro, mas que regressaria a Itália a tempo de se apresentar em tribunal.

“A 4 de outubro apresentar-me-ei no tribunal de Sassari (Sardenha). Estarei efetivamente presente, pois apresento-me sempre que sou convocado pelos tribunais”, afirmou na ocasião o independentista catalão.

O Supremo Tribunal espanhol, que emitiu um mandado de captura internacional, visou Puidgemont pelos crimes de rebelião e de desvio de fundos, entre outros, pelo seu papel na organização do referendo considerado ilegal na Catalunha a 1 de outubro de 2017.

Em fuga desde então, devido ao seu papel na tentativa falhada de independência da região espanhola da Catalunha, Carles Puigdemont continua a ser procurado pelo sistema judicial espanhol, que o acusa de “sedição” e “apropriação indevida de fundos públicos”.

Leia mais em Jornal de Notícias

Assine nossa Newsletter