Angolana concorre à presidência da Câmara Municipal de Lisboa - Plataforma Media

Angolana concorre à presidência da Câmara Municipal de Lisboa

Na corrida à presidência da Câmara Municipal de Lisboa, cargo para o qual concorrem 12 candidatos, o Jornal de Angola foi ouvir , no Cais Sodré, as propostas de Ossanda Liber, a angolana que promete levar aos lisboetas uma cidade mais humana, mais preocupada com o dia-a-dia das pessoas, se ganhar os votos da maioria dos 476.569 eleitores inscritos na capital portuguesa, no quadro das eleições autárquicas de 26 de Setembro, em Portugal, que envolvem 308 municípios e 3.092 freguesias do país.

Lisboa conta com 476.569 eleitores, que vão decidir entre 12 candidatos quem será, a 26 de Setembro, o presidente da Câmara Municipal. Que projectos tem Ossanda Liber para ganhar o voto dos lisboetas?

Esta candidatura é a candidatura da integração, é a candidatura da inclusão social, é a candidatura da humanidade. Estamos no mundo e precisamos todos uns dos outros e precisamos, sobretudo, de ser mais humanos uns para com os outros. Basicamente, o que eu senti é que estava a faltar esta humanidade na Câmara Municipal de Lisboa. Apesar de não ser portuguesa, aqui é a cidade onde eu moro e faz todo o sentido eu participar na vida activa dos lisboetas, levando mais humanidade aos habitantes de Lisboa. Analisei as várias propostas que foram apresentadas e percebi que nenhuma delas tinha em conta as pessoas, então decidi participar para tornar Lisboa uma cidade mais inclusiva e interessada no quotidiano das pessoas.

O facto de não contar com o apoio de qualquer máquina partidária não será, à partida, uma desvantagem para a vossa candidatura?
Pelo contrário, isso dá-nos vantagem, porque na nossa candidatura não há dogmas, não há uma agenda partidária, porque as estruturas partidárias, que eu respeito e acho que devem continuar a existir, estão muito focadas em programas globais, em programas nacionais. A nível local, em que tem que se estar mais próximo das pessoas, em que se tem de conhecer bem o terreno de actuação política, eu penso que os grandes partidos pecam por isso mesmo. Por serem tão grandes e terem estruturas muito pesadas não conseguem estar suficientemente próximos das pessoas. A estrutura da nossa candidatura, embora pequena, está a ser muito bem recebida pelos lisboetas, porque no contacto directo as pessoas sentem que o único interesse que esta candidatura tem é realmente o bem-estar e a felicidade dos lisboetas.

Na imprensa aparece como franco-angolana. Isso não fragiliza a vossa candidatura?

Ser angolana não coloca qualquer problema, mas efectivamente, do ponto de vista formal, o que me permite concorrer é o facto de eu ser, também, francesa. Claro que há sempre quem, por ignorância ou por desconhecimento da situação, ache estranho que uma pessoa que não tem a nacionalidade portuguesa possa candidatar-se a uma eleição autárquica. Na minha óptica Portugal é um país muito avançado democraticamente, na medida em que o que é relevante aqui não é tanto o país de origem, mas o sentimento de pertença que as pessoas têm pela cidade. Eu tenho este sentimento de pertença. Eu vivo cá, os meus filhos estão a ser educados cá, o meu quotidiano é feito cá, é esta cidade que eu conheço bem e como o ordenamento jurídico o permite, eu acho que é aqui que faz todo o sentido candidatar-me à presidência da Câmara Municipal de Lisboa.

Leia mais em Jornal de Angola

Assine nossa Newsletter