EUA pede que Paquistão se alinhe com a comunidade internacional

EUA pede que Paquistão se alinhe com a comunidade internacional

O chefe da diplomacia dos EUA, Antony Blinken, pediu ao Paquistão segunda-feira que não reconheça o novo governo afegão até que os Talibãs correspondam às expectativas da comunidade internacional

No seu aparecimento no Congresso para ser sabatinado sobre a vitória dos Talibãs no Afeganistão, Blinken ouviu legisladores de todos os partidos, que defenderam uma linha mais dura com o Paquistão, que tem sido um parceiro incómodo de Washington durante esses 20 anos de guerra.

“Temos que insistir que todos os países, incluindo o Paquistão, atendam às expectativas que a comunidade internacional tem sobre o que é exigido a um governo liderado pelos Talibãs, se quiser receber qualquer tipo de legitimidade ou apoio”, declarou Blinken à Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Representantes.

Blinken acrescentou que as prioridades incluíam garantir que os Talibãs permitissem a saída das pessoas que querem deixar o Afeganistão e que respeitassem os direitos das mulheres, meninas e minorias. Também exige-se que o país não se converta novamente “num paraíso para o terror”.

“O Paquistão deve, portanto, alinhar-se com a vasta maioria da comunidade internacional no trabalho para esses fins e na manutenção dessas expectativas”, disse Blinken.

O chefe da diplomacia americana acrescentou que as políticas do Paquistão têm sido “muitas ocasiões prejudiciais aos nossos interesses e, outras vezes, em apoio a esses interesses”.

Isso envolve “abrigar membros dos Talibãs, incluindo os Haqqanis”, disse Blinken, referindo-se ao grupo  designado por Washington como terrorista e que agora faz parte do governo interino do Afeganistão.

O deputado democrata Joaquín Castro, um dos vários legisladores que criticaram o Paquistão, pediu aos Estados Unidos que considerassem retirar o status de aliado não pertencente à NATO, algo que dá a Islamabad acesso privilegiado ao armamento americano.

Os serviços de inteligência paquistaneses mantiveram laços estreitos com os Talibãs desde o surgimento dos guerrilheiros islâmicos na década de 1990.

O Paquistão foi então um dos três únicos países que reconheceram o governo dos Talibãs de 1996 a 2001, conhecido pela repressão aos direitos das mulheres como parte de uma interpretação ultra-rígida do Islão.

O Paquistão, um aliado dos Estados Unidos durante a Guerra Fria, rapidamente se comprometeu a cooperar na “guerra ao terror” liderada pelos Estados Unidos após os ataques de 11 de setembro de 2001.

Related posts
MundoPolítica

Países vizinhos insistem num Governo inclusivo em Cabul

EconomiaMundo

Mesmo fragilizado Biden pretende liderar reunião do G20 e COP26

Lucro trimestral da Microsoft cresce 48% graças à nuvem

ChinaPolítica

Xi Jinping defende “coexistência pacifica” no aniversário da adesão à ONU

Assine nossa Newsletter