Greenpeace acusa Londres de ignorar acordo climático - Plataforma Media

Greenpeace acusa Londres de ignorar acordo climático

A organização ambientalista Greenpeace acusou o governo britânico de mentir ao público, após tomar conhecimento de mensagens vazadas que mostrariam que Londres voltou atrás nos seus compromissos climáticos para garantir um acordo comercial com a Austrália

O Greenpeace Reino Unido revelou nesta quarta-feira que, nas mensagens, os ministros britânicos Liz Truss, David Frost e Kwasi Kwarteng “são nomeados como tendo concordado em excluir referências aos compromissos de temperatura no Acordo de Paris sobre o clima para garantir a aprovação do acordo comercial com a Austrália”.

Em resposta, Londres insistiu em que “não assinará acordos comerciais que comprometam nossas altas proteções ambientais”.

O primeiro-ministro Boris Johnson prometeu em carta a ONGs ambientalistas que o acordo com a Austrália “incluirá um capítulo sobre comércio e meio ambiente que não apenas reafirma os compromissos com os acordos ambientais multilaterais, incluindo o Acordo de Paris, mas também compromete ambas as partes a colaborar em matéria climática e ambiental”. O Greenpeace, no entanto, afirmou que “detalhes das mensagens vazadas mostram que o que Boris Johnson escreveu na carta é mentira”.

“A realidade dos planos do governo de ignorar os compromissos de temperatura do Acordo de Paris destrói completamente a confiança no governo como anfitrião da próxima reunião de cúpula climática da ONU, a COP26”, acrescentou a organização.

A reunião, de 12 dias, será realizada em novembro, em Glasgow, Escócia. Ela é vista como um passo crucial para a definição de novas metas de emissões, a fim de conter as mudanças climáticas. A Austrália, no entanto, recusou-se a aprovar uma meta de emissão zero e é um dos maiores exportadores mundiais de combustíveis fósseis.

O ministro do Comércio australiano, Dan Tehan, disse que o acordo de livre-comércio com o Reino Unido “incluirá compromissos em vários temas ambientais”, sem citar as metas de temperatura. Ele acrescentou que os dois países concordaram em trabalhar juntos na pesquisa da redução de emissões e no desenvolvimento de tecnologias de hidrogênio limpo, pequenos reatores modulares e captura de carbono.

O Reino Unido apresentou em junho o acordo comercial com a Austrália, que elimina as tarifas comerciais entre os dois países. Mas John Sauven, diretor executivo do Greenpeace no Reino Unido, afirma que o pacto tem um alto custo ambiental.

“O governo britânico cedeu à Austrália em matéria climática, o que se soma à lista de problemas desse acordo comercial em matéria de alimentos e agricultura”, apontou Sauven, observando que a Austrália ainda usa métodos de crescimento hormonal proibidos no Reino Unido desde 1998.

A Austrália “continua a usar 20 pesticidas que não são mais usados aqui. Nenhum alimento que utilize métodos banidos do Reino Unido deveria ser importado”, criticou o diretor.

Related posts
BrasilPolítica

Indústria brasileira apresenta propostas para negociações climáticas na COP26

EconomiaTransportes

Inglaterra pede ao G7 ação na crise de abastecimento

MundoTransportes

Porto inglês saturado obriga ao desvio de navios com mercadoria natalícia

ChinaSociedade

Pequim tenta reduzir desperdício alimentar face a clima extremo

Assine nossa Newsletter