Covid com impacto 'devastador' na luta contra outras doenças

Covid com impacto ‘devastador’ na luta contra outras doenças

O Fundo Global de combate à SIDA, Tuberculose e Malária afirmou que a pandemia de covid-19 teve um impacto devastador na luta contra essas doenças

Pela primeira vez desde a sua criação em 2002, o fundo reportou uma diminuição na prevenção e no tratamento destas enfermidades e mostrou-se particularmente preocupado com a redução dos testes do vírus HIV e dos tratamentos da tuberculose. 

A Covid teve um impacto ‘devastador’ na luta contra outras doenças. Em comparação com 2019, o número de pessoas atendidas para a prevenção e tratamento do HIV caiu 11%, enquanto os testes para o vírus caíram 22%, impedindo essas pessoas de acessarem o tratamento. 

Ainda assim, o número de pessoas que recebem terapia antirretroviral para HIV aumentou 8,8% em 2020 para 21,9 milhões, observou o relatório publicado nesta terça-feira(8).

O número de pessoas tratadas contra a tuberculose resistente aos medicamentos caiu 19%. Nos países onde o Fundo Global investe, cerca de 4,7 milhões de pessoas receberam assistência para tuberculose em 2020, cerca de um milhão a menos que no ano anterior. 

As intervenções para combater a malária “parecem ter sido menos afetadas pela covid-19 do que as outras duas doenças”, observou o relatório. O estudo especificou que o número de redes distribuídas contra os mosquitos transmissores da doença subiu 17%, para 188 milhões. 

Em 2020, o fundo desembolsou US$ 4,2 bilhões para continuar a luta contra o HIV, tuberculose e malária e aprovou US $ 980 milhões adicionais para financiar a resposta ao coronavírus. 

De acordo com a entidade, desde sua criação, em 2002, o Fundo Global salvou 44 milhões de vidas e o número de mortes por Aids, tuberculose e malária diminuiu 46% nos países sob sua assistência.

Related posts
ChinaGrande Baía

Especialista chinês aponta caminho para normalidade face à pandemia

MundoSociedade

OMS desaconselha tratamento com plasma para pacientes com Covid

MundoSociedade

Primeiros sinais de gravidade da ómicron são "encorajadores"

MacauTransportes

Recuperação de passageiros no aeroporto de Macau só em 2024

Assine nossa Newsletter