Brasil pede respeito pelos direitos das mulheres e meninas afegãs - Plataforma Media

Brasil pede respeito pelos direitos das mulheres e meninas afegãs

O Governo brasileiro expressou “profunda preocupação com a deterioração da situação no Afeganistão e as graves violações dos direitos humanos” e pediu respeito pelos direitos da população, em especial das mulheres e meninas.

Um comunicado divulgado pelo Ministérios das Relações Exteriores brasileiro na segunda-feira (madrugada de terça-feira em Lisboa) ressaltou que há igualmente apreensão com o aumento da instabilidade na Ásia Central e seu potencial impacto noutras regiões.

“O Brasil espera o rápido engajamento das Nações Unidas para o estabelecimento de canais de diálogo e espera que o Conselho de Segurança possa atuar para assegurar a paz na região. É essencial assegurar a atuação plena da Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA)”, diz o comunicado.

“O Governo brasileiro conclama os atores envolvidos a proteger os civis, respeitar o Direito Internacional Humanitário, garantir o acesso desimpedido da ajuda humanitária e respeitar os direitos fundamentais do povo afegão, em especial de mulheres e meninas”, acrescentou.

O país sul-americano também defendeu ser necessário preservar os ganhos obtidos nas últimas décadas em matéria de proteção de direitos humanos, fortalecimento da democracia e desenvolvimento socioeconómico no Afeganistão.

Os talibãs conquistaram Cabul no domingo, culminando uma ofensiva iniciada em maio, quando começou a retirada das forças militares norte-americanas e da NATO.

As forças internacionais estavam no país desde 2001, no âmbito da ofensiva liderada pelos Estados Unidos contra o regime extremista (1996-2001), que acolhia no seu território o líder da Al-Qaida, Usama bin Laden, principal responsável pelos atentados terroristas de 11 de Setembro de 2001.

A tomada da capital põe fim a uma presença militar estrangeira de 20 anos no Afeganistão, dos Estados Unidos e dos seus aliados na NATO, incluindo Portugal.

Face à brutalidade e interpretação radical do Islão que marcou o anterior regime, os talibãs têm assegurado aos afegãos que a “vida, propriedade e honra” vão ser respeitadas e que as mulheres poderão estudar e trabalhar.

Related posts
MundoPolítica

Afeganistão: Rússia, China e Irão defendem cooperação para assegurar “estabilidade regional”

CulturaMundo

“Sou mulher e jornalista, os Talibã não aguentam isso”

MundoPolítica

Talibãs reúnem-se hoje com representantes dos EUA e UE

MundoPolítica

Os 5 membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU querem 'Afeganistão estável'

Assine nossa Newsletter