Descoberto mecanismo que pode explicar maior ou menor gravidade do coronavírus - Plataforma Media

Descoberto mecanismo que pode explicar maior ou menor gravidade do coronavírus

Este mecanismo associado à infeção pelo SARS-CoV-2 “pode estar associado a outro tipo de infeções víricas respiratórias, o que abre novas oportunidades de investigação noutras doenças infeciosas”.

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) descobriram um mecanismo, associado a uma alteração nos linfócitos T, que pode explicar porque é que a infeção pelo SARS-CoV-2 causa doença leve ou doença grave nos indivíduos.

Em comunicado, o instituto da Universidade do Porto revela, esta quarta-feira, que os investigadores descobriram um mecanismo que “pode explicar o motivo pelo qual a infeção pelo SARS-CoV-2 causa doença leve ou mesmo assintomática em alguns indivíduos e doença grave e complicada noutros”.

Os resultados do estudo, financiado no âmbito da iniciativa ‘Research 4 Covid’ da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), foram publicados na revista The Journal of Immunology e o artigo foi destacado como um ‘top reader’ da edição de setembro.

O estudo, liderado pela investigadora Salomé Pinho, mostrou que as células T circulantes “trocam os seus glicanos [moléculas de açúcar] de forma específica após a infeção com o SARS-CoV-2” e que essa alteração é “mais pronunciada” em indivíduos assintomáticos do que sintomáticos.
“Está assim identificada uma resposta imunológica, baseada em formas glicosiladas de linfócitos T, que confere proteção contra o vírus”, assegura o instituto.

A mudança no perfil de glicosilação na resposta imunológica após a infeção pelo SARS-CoV-2 “parece ser desencadeada por um fator inflamatório presente no plasma dos indivíduos”.

Leia mais em TSF

Related posts
PortugalSociedade

Uso de máscara obrigatório em instituições de ensino superior

DesportoPortugal

Lotação dos recintos desportivos sobe para metade

CulturaPortugal

Festas de Barrancos canceladas pelo segundo ano consecutivo

PortugalSociedade

Apenas 0,3% das pessoas com vacinação completa foram infetadas

Assine nossa Newsletter