PT quer reforçar segurança de Lula contra atentados na campanha de 2022

PT quer reforçar segurança de Lula contra atentados na campanha de 2022

Temor de ataque de bolsonaristas ou milicianos é discutido discretamente no partido

O PT está discutindo um reforço na segurança de Luiz Inácio Lula da Silva durante a campanha eleitoral que o ex-presidente quer disputar para tentar voltar ao Palácio do Planalto em 2022.

O tema é debatido discretamente, por suas implicações óbvias, embora a motivação seja relativamente evidente: a radicalização presumida no ambiente político e a natureza de alguns apoiadores do presidente Jair Bolsonaro.

Não é segredo para ninguém que uma parcela expressiva da base bolsonarista é entusiasta de armas como o presidente e, em alguns casos, preconiza o uso da violência. Além disso, as relações do grupo político com milicianos e setores mais radicais de polícias estaduais é notória.

Não é uma preocupação só à esquerda, claro. O próprio Bolsonaro foi ferido a faca em 2018 por um ex-integrante do PSOL que foi diagnosticado como doente mental.

O atentado contra o então candidato é visto como um marco para as campanhas eleitorais no pós-redemocratização, que no Brasil sempre tiveram no corpo a corpo um fator essencial para a construção imagética da associação entre a candidatura e a população.

Leia mais em Folha de S. Paulo

Related posts
BrasilPolítica

Lula da Silva diz esperar que protestos de rua impulsionem destituição de Bolsonaro

Desporto

Quedas marcam o Tour. Ciclistas protestam contra falta de segurança

BrasilPolítica

Juiz do Supremo brasileiro proíbe uso de confissões da Odebrecht contra Lula

BrasilPolítica

Juiz do Supremo estende suspeição de Sergio Moro a mais dois processos de Lula da Silva

Assine nossa Newsletter