Pedro Castillo, o 'primeiro presidente pobre' do Peru - Plataforma Media

Pedro Castillo, o ‘primeiro presidente pobre’ do Peru

Pedro Castillo, um professor de escola rural que saiu do anonimato há quatro anos como líder de uma greve do magistério, foi proclamado ontem como novo presidente eleito do Peru, o primeiro sem parentesco com a elite política, económica ou cultural

“Não mais pobres em um país rico”, repetiu como lema de campanha o candidato do Peru Livre, partido minoritário que se define como marxista-leninista e que superou por estreita margem Keiko Fujimori, filha do ex-presidente preso Alberto Fujimori (1990-2000), ao conquistar com mensagens simples o sentimento de indignação de milhões de peruanos.

Castillo nasceu em Puña, povoado do distrito de Chota, região de Cajamarca, onde é professor em uma escola rural há 24 anos. É o terceiro de nove irmãos e seus pais são camponeses analfabetos. Aos 51 anos, ele é “o primeiro presidente pobre do Peru”, como definiu à AFP o analista Hugo Otero.

Casado com Lilia Padedes, Castillo tem três filhos, um deles adotado. Sua mulher é evangélica, mas ele é católico. Sua mistura de moral conservadora e reivindicações sociais por mudanças se adaptou bem a um país onde a religião costuma ser um fator eleitoral.

Castillo costuma citar passagens bíblicas quando apela à sua moral conservadora para justificar sua rejeição ao aborto, ao casamento homossexual e à eutanásia. “Estamos orgulhosos por meu irmão ter chegado tão longe sendo um homem humilde”, disse à AFP Amelia, 34, irmã do presidente eleito.

Junto à sua casa de dois andares no vilarejo de Chugur, Castillo possui uma chácara de um hectare onde a família cultiva milho, batata-doce, hortaliças e cria galinhas e vacas. Com um chapéu branco típico de Cajamarca, ele percorreu as regiões do Peru, até a cavalo, para obter votos.

‘Não somos chavistas’

“Planejamos mudanças, não remendos ou reformas como outros candidatos de esquerda”, disse Castillo durante a campanha. A esquerda peruana chegou às eleições dividida, com quatro candidatos, entre eles Verónika Mendoza e o ex-padre católico Marco Arana, além de Castillo.

A proposta eleitoral do Peru Livre se baseia em uma tríade: saúde, educação e agricultura, setores prioritários para promover o desenvolvimento nacional, segundo Castillo. Também planeja convocar uma Assembleia Constituinte para redigir uma nova Constituição em seis meses para substituir a atual, que favorece a economia de livre-mercado. A Constituição de 1993 é um legado do governo populista de direita de Alberto Fujimori (1990-2000), pai de Keiko.

O candidato também prometeu expulsar os estrangeiros que cometem crimes, em alusão tácita aos migrantes venezuelanos que chegaram desde 2017. O Peru Livre é um dos poucos partidos peruanos de esquerda que defendem o regime do presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

Suas primeiras propostas econômicas preocuparam as multinacionais e investidores, por suas promessas de nacionalização e um papel mais ativo do Estado no mercado, o que lhe valeu comparações com o “socialismo bolivariano” da Venezuela.  

“Não somos chavistas, não somos comunistas, ninguém veio desestabilizar este país. Somos trabalhadores, lutadores, empreendedores”, declarou o professor no mês passado, diante de uma multidão reunida em Lima. Seu principal assessor econômico, Pedro Francke, garantiu à AFP que as mudanças que promovem “não têm nada a ver com a proposta da Venezuela”.

‘Rondas campesinas’

A greve nacional de 2017 durou quase 80 dias, exigindo um aumento salarial e a eliminação de um sistema polêmico de avaliação de professores.  Em uma tentativa de deslegitimar o movimento, o então ministro do Interior, Carlos Basombrío, disse que os líderes do mesmo estavam ligados ao Movadef, braço político da derrotada guerrilha maoísta Sendero Luminoso, um grupo ilegal considerado terrorista no Peru. 

“Rejeito categoricamente as denúncias”, respondeu Castillo, que integrou em Cajamarca as “rondas campesinas” armadas que resistiram às incursões de Sendero nos dias difíceis do conflito interno (1980-2000). Agora, o lar de Castillo em Cajamarca é sempre vigiado por “ronderos”, que portam bastões e chicotes de couro.

Related posts
MundoPolítica

Presidente de Peru nomeia ambientalista para chefiar novo gabinete

MundoPolítica

Castillo anuncia reforma constitucional ao assumir presidência do Peru

MundoPolítica

Castillo reúne-se com rei da Espanha, enviado de Biden e presidente Lasso

MundoPolítica

EUA felicitam presidente eleito do Peru e pedem 'papel construtivo' em Venezuela e Cuba

Assine nossa Newsletter