Governo espera que 2021 seja ano de “retoma integral” do desporto

Governo espera que 2021 seja ano de “retoma integral” do desporto

O Governo espera que 2021 possa constituir um ano de “retoma integral” do desporto, reconheceu hoje o ministro da tutela, Tiago Brandão Rodrigues, mediante a evolução do programa nacional de vacinação contra a covid-19.

“O compromisso do Governo com o setor do desporto é indiscutível e não é de hoje. Tem sido um trabalho contínuo, como vemos nos programas e na preparação das missões olímpica e paralímpica para Tóquio2020. Esperamos que 2021 seja um ano de retoma integral de um vasto conjunto de atividades e setores, entre os quais o desporto”, referiu, na audição regimental da Comissão de Educação, Ciência, Juventude e Desporto.

Tendo em conta os impactos provocados pela interrupção global das competições em março de 2020, o Conselho de Ministros aprovou há quatro meses um fundo de apoio “verdadeiramente histórico e muito significativo” de 65 milhões de euros (ME) ao setor.

“Para a retoma da atividade física e desportiva contamos com 30 ME de empréstimo às federações desportivas. Por outro lado, lançámos a fundo perdido uma linha de 30 ME para ajudar clubes de base local. Temos ainda edições extra do período do plano de reabilitação de infraestruturas desportivas e outra edição extra do plano nacional de promoção de Desporto para Todos, que englobam mais cinco ME”, recordou.

Tiago Brandão Rodrigues frisou que, além desta disponibilização de fundos, o setor da atividade física e desporto já tinha beneficiado de medidas criadas pelo Governo, num total de 76 ME, dos quais 50 ME em ‘lay-offs’ e 26 ME quanto à flexibilização tributária.

“Apesar da quebra da receita dos jogos sociais, o apoio direto ao setor por outras vias continuou e aplicámos suspensões para que o setor não fosse prejudicado. Quando os clubes precisaram, tiveram todo o apoio da tutela e, acima de tudo, do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Os clubes não precisavam das verbas quando estavam parados, mas precisam agora e por isso é que tiveram novos planos e fundos”, vincou.

Antecipando um próximo ciclo olímpico de três anos, em função do adiamento dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, o ministro da Educação lembrou que foi “mantido o financiamento às federações e aos programas olímpicos” e “reafetadas as verbas não executadas”.

“Quanto ao Plano de Recuperação e Resiliência, o desporto entra na componente da saúde, com o investimento na criação de um sistema universal de apoio à vida ativa, que visa, acima de tudo, criar um conjunto de ações, iniciativas e programas focados na promoção da atividade física e desportiva, além de aumentar a literacia”, explicou.

Já o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, assegurou na mesma sessão que “efetivamente não aconteceram” cortes no financiamento dos contratos-programa celebrados em 2020 entre as federações desportivas e o IPDJ.

“O que acontece este ano é que, por não sabermos justamente o que resultou da atipicidade do ano anterior, garantimos às federações o mais do que razoável para fazerem a sua vida e desenvolverem regularmente as suas atividades no primeiro semestre. Todas elas, sem exceção, sabem que em setembro encontraremos um momento para perceber se faz ou não sentido reforçar o financiamento”, observou.

Em reposta a questões do deputado do PSD Emídio Guerreiro, antigo secretário de Estado do Desporto, João Paulo Rebelo reiterou que “entraram rigorosamente todos os euros” previstos nos contratos-programa, dizendo mesmo que o Governo “reconheceu sempre na atividade física um bem quase essencial, mesmo durante o confinamento”.

Related posts
PortugalSociedade

Task Force apela utentes para usarem modalidade "casa aberta"

PortugalSociedade

Uso de máscara obrigatório em instituições de ensino superior

DesportoPortugal

Lotação dos recintos desportivos sobe para metade

CulturaPortugal

Festas de Barrancos canceladas pelo segundo ano consecutivo

Assine nossa Newsletter