Um em cada 25 casos de cancro ligado ao consumo de álcool

Um em cada 25 casos de cancro ligado ao consumo de álcool

Estimativas divulgadas hoje pela Agência Internacional para a Pesquisa do Cancro (Circ) apontam que 4% dos casos mundiais de cancro (cerca de 740 mil) estão ligados ao consumo de álcool, mesmo que moderado

A maioria (86%) dos cânceres atribuídos ao álcool estão ligados ao consumo “de risco e excessivo” (mais de duas doses por dia), segundo o estudo. Mas mesmo o consumo leve ou moderado representa “um a cada sete casos atribuídos ao álcool, ou seja, mais de 100 mil novos casos de câncer no mundo”, em 2020, anunciou a Circ, ligada à Organização Mundial da Saúde (OMS).

Isso mostra “a necessidade de pôr em prática políticas e intervenções eficazes para conscientizar o público sobre a ligação entre o consumo de álcool e o risco de câncer, e para reduzir o consumo geral”, declarou a médica Isabelle Soerjomataram, funcionária da Circ.

Publicado na revista médica “The Lancet Oncology”, o estudo listou sete cânceres cujo risco é aumentado pelo consumo de álcool: boca, faringe, laringe, esôfago, colorretal, fígado e mama em mulheres (ou seja, 6,3 milhões de casos em 2020). Cruzando esses dados com os do consumo de álcool por país há uma década (tempo que a doença leva para ser declarada), os pesquisadores calcularam que 741.300 desses cânceres (ou seja, 4% do total de novos casos de câncer no mundo em 2020) poderiam estar diretamente relacionados ao álcool.

“Em 2020, os tipos de câncer com maior número de novos casos ligados ao consumo de álcool foram os de esôfago (190.000 casos), fígado (155.000 casos) e mama em mulheres (98.000 casos)”, segundo a Circ. A Mongólia é o país com maior incidência de novos casos de câncer relacionados ao álcool (10%, ou 560 casos), e os homens respondem por três quartos de todos os casos de câncer atribuíveis ao álcool (567.000).

O estudo, no entanto, apresenta limitações, assinalou a The Lancet Oncology. Por um lado, não considera a interrupção dos atendimentos devido à pandemia, que pode ter levado à subnotificação de alguns casos de câncer no ano passado. Por outro, não leva em consideração interações entre o consumo de álcool e outros elementos, como o tabaco ou a obesidade, que também podem causar a doença. 

Related posts
BrasilPolítica

Bolsonaro testa negativo para covid, mas sobem para quatro os casos na comitiva

MundoPolítica

EUA comprometem-se a doar mais 500 milhões de vacinas a países mais pobres

BrasilSociedade

Governo do Brasil recua e volta a aprovar vacinação de adolescentes

BrasilPolítica

Queiroga, parte da comitiva brasileira na ONU, é diagnosticado com covid

Assine nossa Newsletter