Haiti prende suspeitos de assassinato de presidente e busca foragidos

Haiti prende suspeitos de assassinato de presidente e busca foragidos

Pelo menos 28 pessoas, 26 colombianos e dois americanos, participaram do assassinato do presidente Jovenel Moise, informou a polícia do Haiti nesta quinta-feira (8), acrescentando que oito deles estão foragidos

“Prendemos 15 colombianos e os dois americanos (…). Três colombianos foram mortos e outros oito estão foragidos”, disse o diretor-geral da Polícia Nacional, Leon Charles, em coletiva de imprensa.

Na quarta-feira, a polícia havia afirmado que quatro dos suspeitos foram mortos. Charles não explicou a discrepância.

Pelo menos seis dos supostos envolvidos no assassinato de Moise seriam ex-militares da Colômbia, declarou o ministro de Defesa colombiano Diego Molano.

“Inicialmente, a informação indica que são cidadãos colombianos, membros da reserva do exército nacional”, declarou Molano em vídeo, no qual também afirma ter ordenado que a polícia e o exército colaborem com a investigação do caso.

O chefe da polícia colombiana, o general Jorge Vargas, indicou que trata-se de dois oficiais da reserva do exército, assim como quatro ex-soldados.

Charles também declarou que “as armas e os materiais usados pelos criminosos foram recuperados” e prometeu intensificar a busca “para capturar os outros oito mercenários”.

Durante a coletiva de imprensa, vários dos suspeitos estavam alinhados contra uma parede para serem exibidos à mídia, com passaportes colombianos e armas colocadas sobre uma mesa.

“Já temos os autores físicos e estamos buscando os autores intelectuais” do ataque, havia dito mais cedo Charles.

O Departamento de Estado, sem confirmar a prisão de um cidadão americano, anunciou nesta quinta-feira que concordou em ajudar a polícia haitiana na investigação.

“Onde estavam?”

No Haiti, com uma população de 11 milhões de habitantes -metade menor de 20 anos-, todos estão em alerta na tentativa de entender como o presidente do país pôde ser assassinado.

“Onde estavam os policiais bem equipados que vigiam o presidente dia e noite? Por que não reagiram?”, questionou Julia, uma advogada de 28 anos.

o Ministério Público de Porto Príncipe também se posa as mesmas perguntas. Para respondê-las, ordenou que os responsáveis pela segurança do mandatário fossem chamados para depor.

“Se você é responsável pela segurança do presidente, onde estava? O que foi feito para evitar este destino do presidente?”, indagou Me Bed-Ford Claude, comissário do governo de Porto Príncipe e encarregado de iniciar os procedimentos judiciais em nome da sociedade haitiana.

Crise profunda

O Haiti, que antes do assassinato de Moise já se encontrava atingido por uma profunda crise política e de insegurança, assolado por gangues criminosas, se encontra sob forte tensão e à beira do caos.

Lojas, bancos, postos de gasolina e pequenos comércios fecharam as portas. A República Dominicana, país com o qual o Haiti compartilha a ilha de La Española, fechou a fronteira.

O governo do Haiti pediu nesta quinta-feira a reabertura do aeroporto, uma medida que deverá ser efetivada na sexta, assim como a retomada da atividade econômica.

Além das perguntas sobre a busca dos autores do atentado, estão aquelas sobre o futuro do país: começando pelo governo.

O Haiti já estava mergulhado em uma crise institucional. Moise não convocou eleições depois de chegar ao poder em 2017, e o país não tem um Parlamento desde janeiro de 2020.

Acusado de inação diante da crise e criticado por boa parte da sociedade civil, Moise governou principalmente por decreto.

Agora, o país mais pobre das Américas não tem um presidente e um Parlamento ativo, enquanto dois homens afirmam estar no comando e disputam o cargo de primeiro-ministro.

Briga pelo poder

Uma das últimas decisões políticas de Moise foi nomear Ariel Henry como o novo primeiro-ministro na segunda-feira. No entanto, Henry ainda não havia assumido o cargo. 

E horas depois do assassinato, foi o primeiro-ministro interino, Claude Joseph, quem impôs o estado de sítio e reforçou os poderes do Poder Executivo. Este último deve durar 15 dias.

“Existem vários primeiros-ministros nomeados no país?”, Henry indagou, ao assegurar que Joseph era apenas ministro das Relações Exteriores.

A oposição também acusou Joseph de tomar o poder.

Helen La Lime, representante da ONU para o Haiti, considerou que Joseph representa a autoridade responsável enquanto Henry não havia prestado juramento, aludindo a um artigo da Constituição haitiana que estabelece que, em caso de vacância presidencial, “o Conselho de Ministros, sob a presidência do primeiro-ministro, exerce o poder Executivo até a eleição de outro presidente”.

Por sua vez, o defensor dos direitos humanos Gédeon Jean qualificou à AFP o desejo do primeiro-ministro interino de declarar o estado de sítio como “suspeito”, e essa suspeita o leva a “prever uma tentativa de golpe de Estado”. 

Related posts
BrasilSociedade

Chacina impiedosa choca Brasil. Dez familiares morrem numa disputa por dinheiro

MundoPolítica

Guterres diz que Haiti atravessa “situação de pesadelo”

MundoPolítica

Conselho de Segurança da ONU está dividido sobre envio de força de segurança ao Haiti

MundoPolítica

Guterres pede envio de tropas internacionais ao Haiti para conter crise de segurança

Assine nossa Newsletter