Dolly, a ovelha mais famosa do Mundo nasceu há 25 anos

Dolly, a ovelha mais famosa do Mundo nasceu há 25 anos

Foi há 25 anos que a ficção se tornou realidade com o nascimento de Dolly, a ovelha mais famosa do mundo, clonada a partir de uma célula adulta, criando expectativas para um admirável, ou assustador, mundo novo.

O mundo só a conheceu mais tarde em fevereiro de 1997, mas foi há 25 anos, em 5 de julho de 1996, que nasceu Dolly, uma ovelha aparentemente igual a todos outros ovinos.

A ovelha, que acabou por se tornar uma celebridade, não foi o primeiro animal clonado, nem o primeiro mamífero, já que antes de Dolly, uma outra ovelha tinha sido clonada a partir de uma célula embrionária, em 1984.

No entanto, Dolly ficou para a história como o primeiro mamífero clonado a nascer através da transferência nuclear de uma célula (mamária) adulta (de uma ovelha com seis anos), abrindo assim porta a uma série de potencialidades na biologia e na medicina, algumas das quais assustadoras para muitos.

O processo que deu origem a esta ovelha, cujo nome partiu de uma piada de um técnico que fazia referência à cantora Dolly Parton e soava melhor do que o nome experimental “cordeiro n.º 6LL3”, nunca tinha sido bem-sucedido: a célula adulta da dadora foi introduzida numa outra sem núcleo, resultando num embrião que foi posteriormente implantado numa “ovelha de aluguer”.

Depois, nasceu Dolly, fruto do trabalho do Instituto Roslin, na Escócia. A ficção científica deixou de o ser e o debate em torno do que este feito representava aqueceu, uma vez que, tal como o homem, Dolly era um mamífero e os cientistas acabavam de provar que os mamíferos podiam ser clonados com células adultas e não apenas embrionárias.

Leia mais em Jornal de Notícias

Related posts
Futuro

Vacina parece reduzir o risco de cancro cervical

Mundo

Cientistas lançam campanha a favor de ciências oceânicas

MundoSociedade

Muitos pacientes de Covid sofrem de fadiga e falta de ar um ano depois

FuturoSociedade

Cientistas impedem "in vitro" replicação do coronavírus nas células humanas

Assine nossa Newsletter