Pais passam cerca de quatro mil horas ‘atordoados’ enquanto criam os filhos

Pais passam cerca de quatro mil horas ‘atordoados’ enquanto criam os filhos

Estão acordados, mas têm falta de concentração, perdem-se nas tarefas e vivem uma ‘névoa cerebral’. Estudo diz que pais e mães perdem cerca de quatro mil horas enquanto criam os filhos

Criar um filho tem os seus efeitos. E para lá da privação de sono que muitos sofrem, há uma outra consequência que os estudos apontam e que indicam perdas na ordem das quatro mil horas. Ou seja, em média, um pai ou uma mãe perdem aquele volume de tempo numa sensação de névoa de cansaço enquanto acompanham o crescimento de um filho até à maioridade, os 18 anos.

Quem o refere é um estudo norte-americano que auscultou dois mil progenitores com mais de 30 anos e que indica que, em média, são cerca de 219 as horas em que os pais se sentem com falta de concentração e incapacidade para conclusão de tarefas.

O inquirido médio fica tão distraído que perde o foco em até três tarefas por dia, representando cerca de 36 minutos por dia. A razão mais elencada para justificar esta sensação de se estar ‘atordoado’ está a falta de descanso, fator justificado seis em cada dez indivíduos auscultados para o estudo. As horas de maior concentração, refere a maioria da amostra, está entre as 11.00 e as 14.00 horas do dia.

Muitos dos entrevistados, dois em cada cinco, diz que reconhece o dia da semana apenas pelas atividades letivas e não letivas que os filhos devem cumprir.

Leia mais em Delas

Related posts
EconomiaMacau

Falta plano a longo prazo para turismo inteligente

MundoSociedade

Aquecimento rápido do Ártico causa frios extremos nos EUA e na Ásia

MacauSociedade

Estudo conclui que nova geração de Macaenses assume naturalmente mistura racial

Portugal

Pós-Covid: o que querem os clientes, o que atrai talento e até a gestão de risco

Assine nossa Newsletter