Myanmar: Pelo menos 64 pessoas condenadas à morte desde golpe militar de fevereiro

Myanmar: Pelo menos 64 pessoas condenadas à morte desde golpe militar de fevereiro

Pelo menos 64 pessoas, incluindo dois menores, foram condenadas à morte pela junta militar de Myanmar como forma de combater o movimento pró-democracia contra o golpe de Estado de 01 de fevereiro, avançaram hoje fontes do Governo dissidente.

O Governo de Unidade Nacional, composto por políticos e ativistas pró-democracia que se opõem à junta militar atualmente no poder em Myanmar (antiga Birmânia), referiu hoje que os condenados à morte não tiveram direito a advogados nos processos sumários de que foram alvo em tribunais militares.

“As sentenças estão a ser executadas sem direito a defesa ou a representação legal”, disse o responsável pelos Direitos Humanos do “governo pró-democrático”, Aung Myo Min, numa mensagem divulgada na rede social Twitter.

Embora a pena de morte esteja consagrada na Constituição birmanesa, Myanmar não executava um ninguém desde 1998.

O exército birmanês justificou o golpe de Estado com uma alegada fraude nas eleições de novembro passado, em que o partido da líder deposta Aung San Suu Kyi conseguiu uma vitória clara, como aconteceu em 2015, e que obteve o aval dos observadores internacionais.

Logo após o golpe de Estado, os birmaneses responderam com um movimento de desobediência civil e grandes manifestações pacíficas, mas estas demonstrações de descontentamento foram reprimidas pelas autoridades militares e policiais, que usaram armas reais contra civis desarmados.

Desde então, pelo menos 883 civis morreram devido à repressão brutal das forças de segurança contra as manifestações pacíficas, segundo dados da Associação de Assistência a Presos Políticos, que também conta mais de 6.000 detidos.

Como resultado dessa repressão, muitos manifestantes decidiram pegar em armas e formaram milícias civis que lutam agora contra o exército, apoiadas, em alguns casos, por guerrilhas étnicas já com experiência, já que lutam há décadas para exigir maior autonomia.

Related posts
MundoPolítica

Combates entre militares e rebeldes aumentam no noroeste do país

MundoPolítica

Aung San Suu Kyi está sem contacto com advogados há seis semanas

MundoPolítica

Enviado de Mianmar alerta ONU sobre suposto "massacre" no país

MundoPolítica

Oposição em Myanmar denuncia vaga de Covid "fora de controlo" e pede ajuda urgente à ONU

Assine nossa Newsletter