Famílias moçambicanas vão receber segunda tranche de subsídio pós-Idai - Plataforma Media

Famílias moçambicanas vão receber segunda tranche de subsídio pós-Idai

O Instituto Nacional de Ação Social (INAS) moçambicano vai começar a pagar a segunda tranche do subsídio especial destinado a 32 mil famílias vulneráveis vítimas do ciclone Idai de 2019, anunciou o organismo.

O subsídio no valor de 15.000 meticais (198 euros) foi dividido em duas partes, uma entregue aos beneficiários em 2020 e outra a entregar nos próximos dias, referiu Abdul Razak, delegado do INAS na cidade da Beira, centro do país, citado hoje pelo jornal Notícias.

De acordo com aquele responsável, há listas afixadas nos bairros com os nomes e procedimentos de entrega para evitar aglomerações e assim prevenir a propagação de covid-19.

As famílias que não levantaram a primeira prestação do subsídio podem agora levantá-lo por inteiro, acrescentou.

Em agosto de 2020, o pagamento foi suspenso durante uma semana devido a grandes aglomerações nos locais de entrega, elevando o risco de propagação de covid-19 e de pessoas não elegíveis se aproveitarem da confusão para receber a ajuda indevidamente.

Só que a suspensão do pagamento do subsídio enfureceu centenas de beneficiários, que se amotinaram frente ao gabinete do governador da província de Sofala, até a entrega ser retomada.

O ciclone Idai atingiu o centro de Moçambique em março de 2019, provocou 604 mortos e 1,8 milhões de pessoas foram afetadas.

Foi um dos ciclones mais mortíferos de que há registo no hemisfério sul, com ventos fortes e inundações cujos prejuízos sociais e económicos ainda hoje se sentem.

Moçambique tem um total acumulado de 841 óbitos e 71.568 casos de covid-19, dos quais 97% recuperados e 25 internados.

Related posts
MoçambiqueSociedade

Desastres climáticos deixaram 475 mil mortos nos últimos 20 anos. Moçambique no topo

MoçambiqueSociedade

Escolas transformadas em abrigos. Moçambique em alerta vermelho à espera da tempestade Chalane

Sociedade

Um ano após Kenneth há 390.000 assistidos, mas só 23% do apoio - ONU

Assine nossa Newsletter