Primeira reaproximação telefónica entre chineses e americanos após guerra comercial

Primeira reaproximação telefónica entre chineses e americanos após guerra comercial

Autoridades comerciais chinesas e americanas realizaram a primeira conversa telefônica desde que Joe Biden se tornou presidente dos Estados Unidos, anunciou o Ministério do Comércio chinês nesta quinta-feira (27).

As relações entre Pequim e Washington se deterioraram sob a presidência de Donald Trump, marcada por um conflito comercial entre as duas grandes potências mundiais.

Os dois países assinaram um acordo em janeiro de 2020, com o objetivo de encerrar dois anos de guerra comercial, que continha disposições relativas à proteção da propriedade intelectual e às condições de transferência de tecnologia, grandes exigências dos Estados Unidos.

Mas o novo governo Biden anunciou em abril que faria um balanço das promessas feitas pela China neste acordo.

A “capacidade” da China de cumprir seus compromissos com os Estados Unidos é uma “prioridade”, disse Katherine Tai, que assumiu suas funções como Representante de Comércio dos EUA (USTR), em março passado.

O vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, conversou com Tai em uma “troca construtiva” e em uma “atitude de igualdade e respeito mútuo”, de acordo com um comunicado do ministério.

O acordo comercial denominado “fase 1” manteve as tarifas dos Estados Unidos de 25% sobre uma gama de produtos chineses e componentes industriais que representavam 250 bilhões de dólares, e medidas de retaliação chinesas de mais de 100 bilhões de dólares sobre as importações dos Estados Unidos.

O governo dos Estados Unidos reiterou que concorda em manter as tarifas impostas por Donald Trump.

Artigos relacionados
ChinaEconomia

EUA diz que oferece à América Latina algo que China e Rússia não podem oferecer

MundoPolítica

Delegação americana chega à Venezuela para debater 'agenda bilateral'

MundoPolítica

Audiências sobre ataque ao Capitólio dos EUA suspensas no meio de enxurrada de novas evidências

MundoPolítica

Comité do Congresso dos EUA analisa pressões de Trump para reverter eleições

Assine nossa Newsletter