Escravas sexuais recusam decisão favorável a Japão - Plataforma Media

Escravas sexuais recusam decisão favorável a Japão

Associações sul-coreanas defensoras dos direitos de mulheres “escravas sexuais” das tropas invasoras do Japão durante a 2ª Guerra Mundial vão recorrer de uma decisão judicial recusando uma indemnização do governo japonês. Em sentido contrário a anterior decisão judicial relativa a um outro grupo de vítimas – conhecidas pelo eufemismo “mulheres de conforto” – esta semana o juiz Min Seong-cheol, do Tribunal Distrital Central de Seul, recusou um pedido de indemnização ao Governo do Japão, alegando que este dispõe de imunidade estatal.

Em reacção, o Conselho Sul-Coreano para a Justiça e Memória das Questões de Escravidão Sexual Militar do Japão, associação defensora das vítimas, emitiu uma declaração denunciando veementemente o tribunal por rejeitar o processo iniciado por 20 queixosas, incluindo vítimas sobreviventes, algumas das quais assistiram à leitura da sentença.

“Condenamos veementemente a decisão anti-direitos humanos, anti-paz e anti-histórica de Min, que será lembrada como uma grande nódoa na história mundial dos direitos humanos, bem como na história sul-coreana”, disse o grupo baseado em Seul, citado pela agência Yonhap. “A fim de restaurar os direitos humanos e a honra das vítimas, manteremos contactos com as vítimas e suas famílias para apresentarmos um recurso” da decisão judicial, disse a organização.

Leia mais em Hoje Macau

Related posts
MundoPolítica

Antigo Presidente sul-coreano Chun Doo-hwan morre com 90 anos

Política

Japão promete 8,6 mil milhões de euros para as emissões zero na Ásia

Lifestyle

Herdeiro da Samsung é condenado por consumo ilegal de anestésico

FuturoMundo

Coreia do Sul quer entrar na corrida espacial com foguete próprio

Assine nossa Newsletter