Conselho de Segurança da ONU reúne-se de urgência devido à situação em Myanmar

Conselho de Segurança da ONU reúne-se de urgência devido à situação em Myanmar

A crise político-militar em Myanmar (antiga Birmânia), desencadeada na sequência do golpe de Estado de 01 de fevereiro, com a forte repressão do novo poder sobre as manifestações centram hoje a reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU.

Os 15 membros do Conselho de Segurança iniciarão a sessão, que acontecerá à porta fechada, com um ‘briefing’ sobre a situação em Myanmar, que será feito pela enviada especial da ONU, Christine Burgener.

Para já, ainda não há nenhuma certeza de que o Conselho de Segurança das Nações Unidas possa chegar a um acordo sobre uma nova declaração, no final da reunião, sendo para tal necessária unanimidade dos membros, incluindo a China e a Rússia, apesar de o Kremlin ter desaprovado, segunda-feira, a repressão sangrenta contra as manifestações pró-democracia em Myanmar, revelando-se preocupado com o crescente número de mortes de civis.

A 10 deste mês, o Conselho de Segurança condenou “fortemente a violência contra manifestantes pacíficos, incluindo mulheres, jovens e crianças”, numa declaração suscitada pelo Reino Unido, que condenou a junta militar de Myanmar, que derrubou o regime democraticamente eleito da líder birmanesa Aung San Suu Kyi.

A junta militar tem reprimido de forma violenta as manifestações diárias que pedem o regresso da democracia e a libertação de antigos líderes, com a ONU a estimar que, só no passado sábado, a repressão provocou 107 mortes, incluindo sete crianças, enquanto a imprensa local fala de 114 vítimas mortais, naquele que terá sido o mais sangrento fim de semana desde o início da crise.

Pelo menos 459 pessoas já morreram desde o golpe, que os militares justificam alegando fraude eleitoral cometida nas eleições legislativas de novembro passado, nas quais a Liga Nacional para a Democracia, partido de Suu Kyi, venceu com maioria.

Terça-feira, três dos principais grupos étnicos armados em Myanmar (ex-Birmânia) fizeram um ultimato à junta militar, ameaçando anular o acordo de cessar-fogo se as mortes de manifestantes continuarem no país.

“É provável que a situação evolua para uma guerra civil total”, advertiu, por seu lado, Debbie Stothard, da Federação Internacional para os Direitos Humanos (FIDH), à agência de notícias AFP. 

Desde a independência de Myanmar em 1948, vários grupos étnicos têm estado em conflito com o Governo central por mais autonomia, acesso aos muitos recursos naturais do país ou parte do lucrativo comércio de drogas.

Related posts
MundoPolítica

ONU condena massacre atribuído ao exército birmanês

MundoPolítica

Funcionários de ONG em Myanmar desaparecidos após ataque do exército

MundoPolítica

Facebook bane empresas controladas pela Junta Militar do Myanmar

MundoPolítica

Novas acusações contra líder Suu Kyi e ex-Presidente Win Myint

Assine nossa Newsletter